FR
Início / Notícias / OEm nos média
OEm nos média
Com início marcado para as 15 horas, o encontro começa com um painel sobre imigração em Portugal, que terá como oradoras Cristina Milagre, da Agência para a Integração, Migrações e Asilo (AIMA), e de Cláudia Pereira, que integra o Observatório da Emigração do ISCTE.
O Observatório da Emigração está a organizar uma conferência mista – que pode ser assistida em sala ou online – denominada “Free Movement for Portuguese in Luxembourg“.
Mais de 10.000 portugueses emigraram para o país em 2022, o valor mais alto desde 2016, referem os dados recentemente divulgados pelo Observatório da Emigração.
Então, como no presente, a emigração é jovem. Segundo o mais recente estudo coordenado por Rui Pena Pires, para o Observatório da Emigração, cerca de 30% dos cidadãos nascidos em Portugal e que têm entre 15 e 39 anos estão emigrados – mais de 850 mil pessoas. E se, nas décadas de 60 e 70, a economia não tinha como absorver essa mão de obra pouco qualificada, o impacto pode ser agora mais severo.
Não foi assim nos últimos dois Governos. Entre 2019 e 2022, houve uma Secretária de Estado para a Integração e as Migrações liderada por Cláudia Pereira, professora do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa que já fora coordenadora do Observatório da Emigração. Entre 2022 e 2024, uma Secretaria de Estado da Igualdade e Migrações, encabeçada por Almeida Rodrigues, jurista que fez carreira política.
Quanto à parte sobre a emigração, baseia-se numa estimativa do Observatório da Emigração que surgiu em destaque num artigo do jornal “Expresso” (edição de 11 de janeiro de 2024) que, por sua vez, foi referido várias vezes durante a campanha para as eleições legislativas, inclusive pelo próprio Montenegro.
"Nós dizemos que é a 'Geração 30', depois da 'Geração à rasca', porque é uma geração em que, desde 2011, os licenciados perderam 30% do poder de compra. Saímos de casa dos nossos pais aos 30 anos, e por isso, segundo dados do Observatório da Emigração, 30% dos jovens portugueses emigraram", disse o líder estudantil.
"Nós dizemos que é a 'Geração 30', depois da 'Geração à rasca', porque é uma geração em que, desde 2011, os licenciados perderam 30% do poder de compra. Saímos de casa dos nossos pais aos 30 anos, e por isso, segundo dados do Observatório da Emigração, 30% dos jovens portugueses emigraram", disse à Lusa o presidente da Federação Académica do Porto (FAP), Francisco Porto Fernandes.
Não é novidade para ninguém que, nos últimos anos, a emigração jovem tem sido alarmante em Portugal. E não se trata de uma mera perceção, é uma realidade confirmada por dados do Observatório da Emigração. De acordo com a sua última estimativa, 30% dos nascidos em Portugal com idades entre os 15 e os 39 anos deixaram o país em algum momento e atualmente vivem no exterior. No total, os números já apontam para mais de 850 mil.
Foram 688 os portugueses que, em 2023, entraram na Suécia, segundo dados do Statistics Sweden. Este organismo sueco contabilizou um total de 94,514 entradas de estrangeiros na Suécia, tendo os portugueses representado 0.7% desse total.
O nome da iniciativa surge, na sequência das estatísticas da Eurostat e do Observatório da Emigração, que revelam que o poder de compra dos licenciados diminuiu 30% desde 2011, que os jovens saem de casa dos pais aos 30 anos, em média, e ainda que 30% dos jovens nascidos em Portugal vivem no estrangeiro. De acordo com o comunicado da FAP, são “esperados mais de três centenas de jovens da Academia do Porto no encontro de estudantes”.
O sociólogo Rui Pena Pires considera que os baixos salários e a crise na habitação são cada vez mais pretextos para os portugueses emigrarem, sobretudo jovens e qualificados, embora um terço acabe por regressar.
Para conseguirmos responder a esta pergunta vale a pena analisar alguns dados publicados nos relatórios da OCDE, Relatório do Observatório das Migrações, e Observatório e o Observatório da Emigração publicados entre Outubro 2023 e Janeiro de 2024, com informação relevante sobre os imigrantes que escolheram o nosso país para viver e sobre portugueses que decidiram sair.
“O poder de compra dos licenciados diminuiu 30%, a saída de casa dos nossos pais ocorre, em média, aos 30 anos, e, de acordo com os mais recentes dados divulgados pelo Observatório da Emigração, aproximadamente 30% dos jovens nascidos em Portugal estão, atualmente, a viver no estrangeiro. Estas estatísticas refletem uma realidade preocupante, que indica que o país não proporciona um ambiente favorável para o crescimento e prosperidade da juventude em Portugal”, alega o presidente da FAP.
Entre esses desafios destaco a crise demográfica que enfrentamos de forma dramática. Pedro Nuno Santos, candidato a primeiro-ministro de Portugal afirmou, no debate com Rui Tavares, que é bom ter uma população envelhecida porque isso reflete a subida da esperança média de vida. Portugal é o 6º país da OCDE com mais idosos face à população activa. Explicar o nosso elevado nível de envelhecimento relativo apenas com base no feliz aumento da esperança de vida é ignorar a preocupante queda de natalidade e a emigração massiva de jovens que se verifica no nosso país. De facto, a taxa de natalidade tem diminuído consistentemente nas últimas décadas. De acordo com o últimos dados do Eurostat a taxa de fecundidade em Portugal é de apenas 1,35 filhos por mulher em idade fértil, abaixo dos 1,53 que correspondem à média europeia, e bem abaixo dos 2,1 filhos por mulher necessários para manter a população estável. Por outro lado, segundo dados do Observatório da Emigração, um em cada três jovens nascidos em Portugal, com idades compreendidas em os 15 e os 39 anos, vive fora do país, incluindo um terço das mulheres portuguesas em idade fértil.
Cerca de 1,7 milhões de jovens entre os 18 e os 35 anos vão poder votar nestas eleições, segundo números do Pordata. Outros 850 mil decidiram mudar de rumo e trilhar caminhos além-fronteiras, de acordo com estimativas do Atlas da Emigração Portuguesa, apresentado pelo Observatório da Emigração em janeiro. É o balanço entre aqueles que ainda vivem em Portugal e os que tiveram de emigrar, muitos deles forçados a fazê-lo porque não encontravam resposta para os seus problemas no país onde nasceram.
Pretende, igualmente, criar condições para que os jovens possam sair mais cedo de casa dos pais, promovendo o acesso à habitação, nomeadamente através da eliminação do IMT na compra de habitação própria permanente e na isenção de imposto de selo para o arrendamento e para as transações imobiliárias. A IL propõe adicionalmente a criação de residências universitárias e estudantis na Região Autónoma da Madeira. O partido recorda que, segundo os dados do Observatório da Emigração, 30% dos jovens nascidos em Portugal vivem fora do País.
A IL aponta que actualmente 30% dos jovens nascidos em Portugal vivem fora do país, segundo os dados do Observatório da Emigração. Durante o evento que hoje decorreu, e que contou com a presença do cabeça de lista da Iniciativa Liberal, Gonçalo Maia Camelo, e de outros membros da lista, os liberais apresentaram as ideias e as propostas do seu programa eleitoral orientadas para o crescimento económico, para a criação de oportunidades e para a diminuição dos impostos, essenciais para garantir a fixação dos jovens em Portugal, e na Madeira em particular.
O partido recorre aos últimos dados divulgados pelo Observatório da Emigração, segundo os quais cerca de 30% dos jovens, entre os 15 e os 39 anos, deixaram o país.
Para o JPP, o “grande fracasso” das políticas de emprego em Portugal e na Região reside nos últimos números divulgados pelo Observatório da Emigração, segundo os quais cerca de 30% dos jovens, entre os 15 e os 39 anos, deixaram o país.
Há umas semanas, o Observatório da Emigração lançou um estudo: um terço dos portugueses entre os 15 e os 39 anos saiu de Portugal. A geração mais qualificada que o país produziu não consegue ganhar salários, pagar contas, arranjar teto. Dá-se voz a políticos que atacam os que vêm de fora compensar as falhas de uma nação que foge, sim. Mas eu queria era ouvir os planos que garantam salários, contas pagas e teto a quem quer ficar.
Apesar de ter registado novo máximo em 2023, a emigração portuguesa para a Dinamarca tende a estabilizar, conclui Inês Vidigal, investigadora do Observatório da Emigração através de análise publicada hoje no site desta estrutura do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa.
Portugal enfrenta uma grave crise de emigração de talento. De acordo com uma estimativa do Observatório da Emigração, temos a taxa de emigração mais alta e qualificada da Europa e uma das maiores globalmente. São mais de 850 mil portugueses entre 15 e 39 anos que deixaram o país, representando 30% da população desta faixa etária, o que acarreta consequências sérias para a dinâmica demográfica e a força de trabalho nacional.
Quando a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, reconheceu no Fórum Económico Mundial em Davos que a desinformação e a difusão generalizada de informações falsas constituem a maior ameaça à democracia, polarizando as sociedades, devemos ficar preocupados. Somando esta situação à impreparação generalizada dos quadros políticos e da maioria dos líderes, assim como à circunstância de Portugal registar a taxa de emigração jovem mais alta da Europa, o horizonte de esperança torna-se ainda mais negro. Se o nosso país estivesse assim tão bom como alguns anunciam, trinta por cento dos jovens entre os 15 e os 39 anos, nascidos em Portugal, não tinham decidido emigrar, conforme consta na estimativa do Observatório da Emigração.
O conselheiro lembra o recente estudo do Observatório da Emigração, que demonstrou que cerca de um terço, 30% dos jovens entre os 15 e os 39 anos nascidos em Portugal emigraram.
Debate entre Pedro Nuno Santos e Rui Rocha ficou tendencialmente marcado, em regra, pelo rigor nos factos. O debate inflamado entre Inês Sousa Real e André Ventura, menos.
De acordo com as principais conclusões do "Atlas da Emigração Portuguesa" do Observatório da Emigração, lançado no dia 16 de janeiro, citadas pelo jornal "Expresso", é verdade que "30% dos jovens que nasceram no país estão atualmente a viver fora".
Os dados constam do último “Atlas da Emigração Portuguesa”, do Observatório da Emigração, e ajudam a traçar o retrato do talento no país: 30% dos nascidos em Portugal com idades entre os 15 e os 39 anos deixaram o país em algum momento e vivem atualmente no exterior. São mais de 850 mil.
Mais recentemente, o semanário “Expresso”, citando dados do Observatório da Emigração, noticiou que Portugal tem a taxa de emigração mais elevada da Europa e uma das mais altas do mundo.
Coordenador do Observatório da Emigração analisa as causas e as consequências da procura de trabalho no estrangeiro. Rui Pena Pires defende que só o desenvolvimento económico pode estancar a fuga de talentos de Portugal.
Cerca de 60 mil portugueses saíram de Portugal durante 2022. De acordo com o Relatório da Emigração 2022 elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, o principal destino é a Suíça, a Espanha e a França, depois de uma queda das idas para o Reino Unido na ordem dos 40%. Já são mais de 2 milhões os portugueses nascidos em Portugal que vivem no estrangeiro. O fenómeno não é novo, tem séculos mas a sua natureza é diferente das anteriores, nomeadamente das que ocorreram ao longo do século XIX, até aos anos 30 do século XX, e ainda com a dos anos 50 e 60 do século passado.
Esses dados integram a nova edição do Atlas da Emigração Portuguesa.
Engenheiros. Protagonistas de diferentes áreas deixam críticas ao rumo das políticas públicas e apelam a medidas que aproveitem o talento desenvolvido dentro de portas para alicerçar o desenvolvimento. É o futuro de Portugal em causa.
Tudo isto são dados do Atlas da Emigração Portuguesas, publicados pelo Observatório da Emigração, conhecidos nos últimos dias e pouco debatidos, comentados ou analisados pelos decisores políticos. São dados que revelam várias coisas.
Cerca de 60.000 portugueses emigraram em 2022, os mesmos que no ano anterior, com o Reino Unido a perder importância devido ao Brexit e a Suíça a voltar a ser o principal país de destino, segundo um relatório.
Cerca de 60 milportugueses emigraram em 2022, os mesmos do que no ano anterior, com o Reino Unido a perder importância devido ao Brexit e a Suíça a voltar a ser o principal país de destino, revela o relatório do Observatório da Emigração e da Rede Migra.
Os fluxos de portugueses emigrados cresceram em 2022, com exceção das saídas para o Reino Unido, país que já foi o principal destino dos portugueses, mas diminuiu mais de 40% devido ao Brexit, de acordo com o Relatório da Emigração 2022.
Elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, no documento indica-se que, no ano passado, se registaram mais dez detenções de portugueses no estrangeiro do que no ano anterior.
O estudo do Observatório da Emigração e a Rede Migra mostra que para o Reino Unido – que já foi o principal destino dos emigrantes portugueses – a emigração diminuiu mais de 40%, tendo sido ultrapassado pela Suíça, Espanha e França.
O Relatório da Emigração 2022 foi elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, no quadro do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL) do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL).
O Relatório da Emigração 2022 foi elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, no quadro do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL) do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL).
Elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, no quadro do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL) do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), o Relatório da Emigração 2022 indica que, nesse ano, o Estado português proporcionou uma ajuda de 76.551 euros a cidadãos portugueses, com residência legal e efetiva no estrangeiro, em situação comprovada de absoluta carência ou evidente fragilidade, através do apoio social a emigrantes carenciados das comunidades portuguesas (ASEC-CP).
Elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, no documento indica-se que, no ano passado, se registaram mais dez detenções de portugueses no estrangeiro do que no ano anterior.
O estudo do Observatório da Emigração e a Rede Migra mostra que para o Reino Unido – que já foi o principal destino dos emigrantes portugueses – a emigração diminuiu mais de 40%, tendo sido ultrapassado pela Suíça, Espanha e França.
Portugal é hoje o país europeu que, proporcionalmente, tem maior número de emigrantes e o oitavo em todo o mundo. Os dados são claros e da autoria do Observatório da Emigração, que publicou este mês o Atlas da Emigração Portuguesa: só nos últimos 20 anos, o país viu sair mais de 1,5 milhões de cidadãos. No total, existem hoje cerca de 2,1 milhões de portugueses espalhados pelo planeta.
De acordo com o Relatório da Emigração 2022, elaborado pelo Observatório da Emigração e a Rede Migra, terão emigrado um pouco mais de 60 mil portugueses em 2022, o mesmo número que no ano anterior, mas a estagnação é aparente, uma vez que "praticamente todos os fluxos de saída cresceram, exceto o que teve o Reino Unido como destino".
No espaço de pouco mais de duas semanas, o debate nacional revolveu-se em torno de duas questões relacionadas com a temática da migração: por um lado, discutiu-se a "fuga" dos jovens portugueses, a propósito do recente relatório do Observatório da Emigração segundo o qual cerca de 30% dos jovens portugueses com idades entre os 15 e os 39 anos vivem fora do país; por outro lado, reemergiu a empoeirada retórica anti-imigração, à boleia dos discursos xenófobos de uma extrema-direita a renascer das cinzas da democracia social, que vê na praça de Martim Moniz a grande ameaça civilizacional. A exiguidade do lapso temporal dentro do qual a esfera pública foi ocupada pelos dois tópicos traz ao de cima um paradoxo subliminar: só uma profunda dissonância cognitiva justifica que, num país de emigrantes, o discurso anti-imigrantes consiga ganhar significativa tração. Em toda a casa portuguesa há um elemento da família, mais ou menos alargada, que emigrou – da tia que está há décadas em França até ao primo que se aventurou no Luxemburgo. Não deixa, por isso, de ser surpreendente que a figura do imigrante possa ser tão facilmente utilizada como bode expiatório para as – legítimas – frustrações dos portugueses que resistem em território nacional. Seria de esperar que em nós houvesse uma capacidade particular para reconhecer o valor inestimável do acolhimento empático daqueles que procuram melhores condições de vida num país estrangeiro.
Nos últimos dias foi divulgado o “Atlas da Emigração Portuguesa”, um estudo do Observatório da Emigração. Existem atualmente mais de 2.3 milhões de emigrantes portugueses espalhados pelo mundo. A diáspora portuguesa é a maior da Europa e a oitava maior do mundo. Portugal é, historicamente, um país de emigrantes. A emigração portuguesa foi uma constante no início do século XX, sobretudo para a América (Brasil, EUA e Canadá) e África até aos anos 60 e para a Europa a partir daí.
O Observatório da Emigração deu a conhecer, no passado dia 12 de janeiro, que aproximadamente 30% dos jovens nascidos em Portugal estão, atualmente, a viver no estrangeiro. Estes números, que refletem uma realidade há muito sentida, são reveladores de um país que não é para jovens. Em Portugal, os jovens saem de casa dos pais aos 29,7 anos, quando a média europeia é 26,4. Para esta realidade, muito contribui o desemprego jovem elevado – o quinto maior da União Europeia, e os baixos salários. Dados recentes mostram que 75% dos jovens ganham menos de 950€ mensais e, no que respeita ao trabalho qualificado, um jovem com qualificações superiores ganhava, em média, mais 211€ em 2011, do que em 2022.
Portugal tem uma taxa de emigração das mais elevadas da Europa e uma das mais altas do mundo” avançava um semanário há uns dias, tendo em conta que “mais de 850 mil jovens entre os 15 e os 39 anos vivem fora do País, 30% dos nascidos em Portugal no período”, citando dados do Observatório da Emigração. Muitos meios de comunicação fizeram eco da notícia e vários partidos ergueram-se alarmados a gritar que estamos a perder a geração mais bem preparada, que investimos neles fortunas e agora vão criar riqueza fora, por isso que temos de os reter e que a sangria tem de parar e já.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios
ceg Logo IS logo_SOCIUS Logo_MNE Logo_Comunidades