FR
Início / Notícias e eventos / OEm nos média
OEm nos média
O Observatório da Emigração estima que 80 mil portugueses abandonaram o país no ano passado, menos 5 mil do que em 2017. +
As novas regras que o Governo britânico quer aplicar aos emigrantes que tentem entrar no Reino Unido não deverão afectar a comunidade portuguesa residente no país, já que nada indica que tenham efeitos retroactivos. A comunidade tem muitos licenciados, mas a maioria ainda desempenha tarefas desqualificadas. +
O Observatório da Emigração informa que no ano passado o número de portugueses a emigrar para o Reino Unido aumentou, estimando este valor em 15 por cento. +
A emigração portuguesa continua numa tendência de descida mas em desaceleração e tudo indica que poderá estar a atingir valores de estabilização, reforçando a tese de que as variações do volume da emigração portuguesa dependem hoje mais de mudanças de contexto nos principais países de destino do que da evolução da economia portuguesa. Em 2018 emigraram 80 mil portugueses. +
De acordo com a mais recente revisão das estimativas sobre as migrações internacionais da Organização das Nações Unidas (ONU), existem atualmente mais de 2,6 milhões de portugueses a residirem no estrangeiro. Os dados foram recentemente divulgados pelo Observatório da Emigração (OE), mas não há consenso sobre a «fiabilidade da projeção». +
Neste período, não chegaram a mil os portugueses que se mudaram para solo norte-americano. Representaram apenas 0,1% da emigração total naquele país. +
Neste período, as entradas de cidadãos nacionais em solo norte-americano cairam 5% face a 2017 e representaram apenas 0,1% da emigração total naquele país. +
De acordo com o Relatório da Emigração, elaborado pelo Observatório da Emigração e que compila dados relativos a 2018, nos países onde estão disponíveis, “a emigração portuguesa continua numa tendência de descida, mas em desaceleração”. +
O número de imigrantes tem aumentado, a população estrangeira também e o saldo migratório é positivo há dois anos. A emigração desce, mas desde 2010 que Portugal perde população todos os anos. Esta quarta-feira assinala-se o Dia Internacional das Migrações e o tema continua a ser central, mais ainda quando se fala de declínio demográfico. +
O ministro dos Negócios Estrangeiros português apelou esta terça-feira aos portugueses que vivem no Reino Unido para que se registem o mais rapidamente possível, revelando que 220 mil dos 300 mil cidadãos nacionais naquele país já solicitaram este registo. +
Cerca de 80 mil portugueses emigraram em 2018, menos cinco mil do que em 2017, uma descida explicada sobretudo pela quebra da atração de países como Reino Unido ou Angola, segundo o Relatório da Emigração, ontem divulgado. +
Apresentado esta terça feira, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Relatório da Emigração de 2018 mostra que há mais imigração permanente do que emigração, condição indispensável para manter o saldo migratório positivo. +
O Fundo para as Relações Internacionais (FRI), para onde são canalizadas as receitas consulares, obteve um ganho global 48,095 milhões de euros em 2018, mais 16,9% do que em 2017, segundo o Relatório da Emigração divulgado nesta terça-feira. +
Dados são do relatório da Emigração 2018. Espanha é o único país para onde a emigração está a crescer de forma significativa há quatro anos. “As variações do volume da emigração dependem hoje mais de mudanças de contexto nos principais países de destino do que da evolução da economia portuguesa”, conclui o Observatório da Emigração. +
Com base nos dados do INE e do Observatório da Emigração, entre 2011 e 2018, emigraram 846.287 portugueses, 341.277 de forma permanente e 504.970 de forma temporária. Portanto, os 481 pedidos de regresso representam 0,057% dos que emigraram. +
No final do passado mês de novembro decorreu no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) a primeira conferência no âmbito dos 10 anos do Observatório da Emigração, dedicada ao tema “Migrações e Estado-Providência”. +
Rui Pena Pires participou na elaboração do Programa Eleitoral do PS, nomeadamente no capítulo das medidas para combater o racismo e a xenofobia, e foi questionado então pelo jornal sobre a possibilidade de virem a existir, no programa do PS, quotas para alguns grupos sociais minoritários e as medidas pensadas nestas matérias. “Não implica quotas, mas também não as inviabiliza”, foi a resposta dada. +
O número de emigrantes portugueses em Angola diminui em 2018, pelo terceiro ano consecutivo, revelou o Observatório da Emigração, do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa. +
“Os emigrantes têm uma perceção muito incompleta do país para que vão”. Esta é a conclusão de um estudo do IGOT, e que Daniel Bastos realça, neste seu artigo. O desconhecimento dos mecanismos sociais leva o emigrante a agir com alternativas. +
Foram 1.910 os portugueses que entraram em Angola em 2018. O valor representa uma descida de 36% em comparação com as entradas registadas no ano anterior, de acordo com dados dos consulados da República de Angola em Lisboa e no Porto. +
"Os emigrantes têm uma perceção muito incompleta do país para que vão", disse à Lusa a investigadora do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, à margem da conferência "Migrações e Estado-Providência", inserida na celebração dos 10 anos do Observatório da Emigração. +
Segundo dados da ONU o número de portugueses a residir fora do espaço territorial do país, em 2019, era de mais de dois milhões e seiscentos mil. O observatório da emigração deste organismo internacional considera ainda que 57% dos portugueses emigrados vive no espaço europeu, 40% no continente americano e 3% em África, Ásia e Oceânia. +
No total existem 2,6 milhões de emigrantes portugueses em todo o mundo, segundo dados das Nações Unidas compilados pelo Observatório da Emigração. A maioria (1,493 milhões) encontram-se na Europa, seguido da América do Norte (802 mil), América Latina e Caraíbas (249 mil), África (62 mil), Oceânia (20 mil) e Ásia (4.182). +
De acordo com as Nações Unidas, 2.631.559 portugueses residiam no estrangeiro em 2019, 57% na Europa (1.493.128), 40% no continente americano (1.051.484) e 3% (86.947) na África, Ásia e Oceânia. +
Mais de 2,6 milhões de portugueses vivem atualmente emigrados, segundo a mais recente revisão das estimativas sobre as migrações internacionais das Nações Unidas (ONU) divulgadas pelo Observatório da Emigração (OE) com ressalvas sobre a sua fiabilidade. +
Os novos dados revelam um "acentuado crescimento de portugueses no continente americano e decréscimo nos continentes europeu e africano", variações que levantam questões de "fiabilidade" e devem ser "lidas com cautela", segundo o OE. +
As Nações Unidas estimam que haja 2.631.559 portugueses a residir no estrangeiro. A maior parte está na Europa, mas perto de um terço estão na América do Norte. Observatório da Emigração pede cautela na leitura dos dados. +
Mais de 2,6 milhões de portugueses vivem atualmente emigrados, segundo a mais recente revisão das estimativas sobre as migrações internacionais das Nações Unidas (ONU) divulgadas hoje pelo Observatório da Emigração (OE) com ressalvas sobre a sua fiabilidade. +
Mais de 2,6 milhões de portugueses vivem atualmente emigrados, segundo a mais recente revisão das estimativas sobre as migrações internacionais das Nações Unidas (ONU) divulgadas esta terça-feira pelo Observatório da Emigração (OE) com ressalvas sobre a sua fiabilidade. +
O número de portugueses a escolher o país asiático é pequeno, mas duplicou em dez anos. A emigração também tem aumentado para os países nórdicos e descido para os destinos mais tradicionais, como França ou Suíça. +
Pelo terceiro ano consecutivo, o número de portugueses a emigrar para o Japão aumentou. Os números ainda são pequenos, mas duplicaram numa década e em 2017 atingiram o seu valor mais alto, segundo os dados da OCDE apresentados esta terça-feira pelo Observatório da Emigração. +
Os portugueses representaram 2,3% do total de entradas de estrangeiros no país. +
A tendência da emigração portuguesa para o Brasil regressou em 2017 aos níveis de há uma década, depois de um pico acentuado durante o período da Troika, entre 2010 e 2013, segundo os dados do Observatório da Emigração. +
O número de portugueses que entrou em França, em 2017, foi de 8.316, o mínimo da última década, o que faz com que aquele país deixe de ser segundo destino da emigração nacional, divulgou o Observatório da Emigração. +
O número de portugueses que entrou em França em 2017 foi de 8.316, o mínimo da última década, que faz com que aquele país deixe de ser segundo destino da emigração nacional, divulgou esta terça-feira o Observatório da Emigração. +
Em 2017, entraram em França 8316 portugueses. Uma diminuição de 32,8% em relação ao ano anterior, indicam as estimativas do Instituto Nacional de Estatística e Estudos Económicos francês, divulgadas nesta terça-feira pelo Observatório da Emigração. +
Em 2017, emigraram para França 8 316 portugueses. É um novo mínimo da série disponibilizada pelo Observatório da Emigração, referente ao período entre 2010 e 2017, com base nos valores do Institut National de la Statistique et de Études Économiques. +
Apenas 8.316 portugueses entraram em França, o mínimo na última década. A França deixa de ser o segundo país de destino dos portugueses, tendo sido ultrapassado pela Espanha e pela Suíça. +
De acordo com dados do Office Fédéral de la Statistique, entraram, em 2018, na Suíça, 8,733 portugueses. O departamento oficial de estatística, citado pelo Observatório da Emigração, contabilizou um total de 146,183 entradas de estrangeiros em território suíço o ano passado, representando os portugueses 6% desse total. +
“Os destinos tradicionais da emigração portuguesa estão a diminuir”, apontou Inês Vidigal, do Observatório da Emigração. Ainda que novos destinos, como Espanha, Holanda e Países Nórdicos, estejam a assistir a aumentos no número de emigrantes portugueses chegados nos anos recentes, estas subidas não compensam as perdas registadas. +
Rui Rio afirmou que emigraram 330 mil portugueses entre 2016 e 2019, citando dados do Observatório da Emigração, incluindo projeções relativas já a este ano. +
No debate com Costa, Rio disse que, entre 2016 e 2019, emigraram 330 mil portugueses, usando projeções feitas pelos sociais democratas. Só o INE tem dados mais recentes e são de 2018. +
Portugal tem quase 2,3 milhões de emigrantes, segundos os dados mais recentes do Observatório para a Emigração. O número está em queda depois de ter atingido o seu pico em 2013 e 2014, altura em que saíram do país mais de 120 mil portugueses. +
O líder social-democrata abordou os números da emigração portuguesa, avançando que 330 mil pessoas saíram do país desde o início do Governo de António Costa, segundo números do Observatório da Emigração. +
O líder social-democrata abordou os números da emigração portuguesa, avançando que 330 mil pessoas saíram do país desde o início do Governo de António Costa, segundo números do Observatório da Emigração. +
Os dados mais recentes sobre a emigração lusa revelam que a Holanda, um dos países mais desenvolvidos do mundo, situado no litoral da planície do Norte da Europa, tem-se tornado ao longo das últimas décadas, um dos principais destinos dos emigrantes portugueses. +
A emigração portuguesa para a Alemanha registou, este ano, o valor mais baixo desde 2011. Segundo o Observatório da Emigração, 7200 portugueses fixaram-se na Alemanha, em 2018, um valor que confirma a tendência de decréscimo dos últimos anos. +
“A Suíça já é um caso excecional na história da emigração portuguesa na Europa”, declara a este semanário Rui Pena Pires, coordenador do Observatório da Emigração, em Portugal. +
Artigo sobre o regresso dos portugueses emigrados na Suíça com a colaboração do coordenador científico do Observatório da Emigração, Rui Pena Pires, e da investigadora Liliana Azevedo. +
Em 2018, houve menos gente a emigrar para a Islândia. Em sentido oposto, o número de portugueses a chegar à ilha glaciar aumentou pelo oitavo ano consecutivo. À boleia do boom turístico, os portugueses procuram trabalhos na hotelaria e restauração — muitas vezes com formação superior exigida. Porque “compensa”. +

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios