FR
Início / Notícias e eventos / OEm nos média
OEm nos média
Rui Rio afirmou que emigraram 330 mil portugueses entre 2016 e 2019, citando dados do Observatório da Emigração, incluindo projeções relativas já a este ano. +
Portugal tem quase 2,3 milhões de emigrantes, segundos os dados mais recentes do Observatório para a Emigração. O número está em queda depois de ter atingido o seu pico em 2013 e 2014, altura em que saíram do país mais de 120 mil portugueses. +
O líder social-democrata abordou os números da emigração portuguesa, avançando que 330 mil pessoas saíram do país desde o início do Governo de António Costa, segundo números do Observatório da Emigração. +
Os dados mais recentes sobre a emigração lusa revelam que a Holanda, um dos países mais desenvolvidos do mundo, situado no litoral da planície do Norte da Europa, tem-se tornado ao longo das últimas décadas, um dos principais destinos dos emigrantes portugueses. +
A emigração portuguesa para a Alemanha registou, este ano, o valor mais baixo desde 2011. Segundo o Observatório da Emigração, 7200 portugueses fixaram-se na Alemanha, em 2018, um valor que confirma a tendência de decréscimo dos últimos anos. +
Artigo sobre o regresso dos portugueses emigrados na Suíça com a colaboração do coordenador científico do Observatório da Emigração, Rui Pena Pires, e da investigadora Liliana Azevedo. +
Em 2018, houve menos gente a emigrar para a Islândia. Em sentido oposto, o número de portugueses a chegar à ilha glaciar aumentou pelo oitavo ano consecutivo. À boleia do boom turístico, os portugueses procuram trabalhos na hotelaria e restauração — muitas vezes com formação superior exigida. Porque “compensa”. +
A entrada de portugueses na Holanda, tem tido oscilações entre 2000 e 2018, mas nos últimos três anos o aumento foi constante. +
O Observatório da Emigração revelou que os portugueses representaram, no ano passado, 10,1% de novas entradas de emigrantes em Andorra, mantendo-se, assim, estáveis os fluxos migratórios nacionais para aquele país. +
O número de portugueses a emigrar para a Islândia aumentou 23% em 2018, o oitavo ano consecutivo de subidas. Este movimento contrariou a tendência geral, já que a imigração total para aquele país desceu pela primeira vez desde 2011. +
Espanha registou 10.636 entradas de portugueses em 2018, o que significa que o país superou a Alemanha como destino da emigração portuguesa, segundo o Observatório da Emigração. +
Espanha registou 10.636 entradas de portugueses em 2018, o que significa que o país superou a Alemanha como destino da emigração portuguesa, segundo o Observatório da Emigração. +
Um total de 465 portugueses emigrou para Itália em 2017, segundo o Eurostat, número que representa um crescimento de 5% face ao ano anterior, mas em forte desaceleração, quando comparado com o crescimento de 25,1% verificado em 2016. +
Um total de 465 portugueses emigrou para Itália em 2017, segundo o Eurostat, número que representa um crescimento de 5% face ao ano anterior, mas em forte desaceleração, quando comparado com o crescimento de 25,1% verificado em 2016. +
A emigração portuguesa para Itália tem oscilado anualmente ao longo da série temporal em análise, tendo 2002 sido o ano em que se registou um menor número de entradas (297), e 2007 o ano em que se registou um valor mais elevado (594 entradas). +
Em 2017, emigraram 465 portugueses para Itália, mais 5% que no ano anterior. No entanto, o crescimento é desacelerado quando comparado com os 25,1% observados em 2016. +
O número de portugueses que em 2018 emigraram para a Noruega cresceu 20% face ao ano anterior, chegando aos 450, indicou hoje o instituto norueguês de estatísticas. +
O número de portugueses que em 2018 emigraram para a Noruega cresceu 20% face ao ano anterior, chegando aos 450, indicou hoje o instituto norueguês de estatísticas. +
A emigração portuguesa para a Noruega é um "fenómeno recente", segundo aquele instituto, com um pico em 2012, e na sequência de um crescimento acelerado desde 2010. +
A emigração portuguesa para a Noruega é um "fenómeno recente", segundo aquele instituto, com um pico em 2012, e na sequência de um crescimento acelerado desde 2010. +
No programa Jornal das Comunidades, realizado pela jornalista Isabel Gaspar Dias, na RDP internacional, foram analisados os dados mais recentes referentes à emigração portuguesa para o Luxemburgo e para a Alemanha. +
Apesar do ligeiro aumento, as entradas no Grão-Ducado continuam longe dos números registados em 2012, quando chegaram ao país 5.193 portugueses, o valor mais alto do período analisado, segundo os mesmos dados, divulgados esta terça-feira pelo Observatório da Emigração. +
Em cinco anos, segundo dados do Observatório da Emigração, mais de 16 mil portugueses obtiveram nacionalidade suíça. Em 2017, últimos dados disponíveis, somaram-se cerca de 4000 casos. A possibilidade de progressão na carreira e o tratamento igualitário são alguns dos argumentos apresentados pelos emigrantes. +
Segundo o Observatório da Emigração, a Alemanha registou, em 2018, um total de 1.199.115 entradas de estrangeiros no país, sendo 0,6% portugueses. +
Os dados são do Observatório da Emigração (OEM), divulgados esta quarta-feira, que vêm a confirmar a queda nos números. Em 2017, quase 18 mil portugueses deram entrada em terras alemãs, um número significativamente diferente da realidade no ano passado, quando se registou a entrada de cerca de 7 mil portugueses. +
A common EU asylum policy “has never existed,” said João Peixoto, a Lisbon University economist, migration specialist and professor at the same event, adding that “we will not have a common approach in the next few years either.” He advised the EU to instead try to cherish what is already in place. “There is one common approach,” he said, “the freedom of movement.” People moving from one country to another, even within the EU — “That is migration.” +
"Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária”, disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico – Fórum Portugal-Alemanha, que decorre, esta segunda-feira, no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. +
A iniciativa, sob o tema “Perspetivas das Migrações: Ação política e participação cívica” é organizada pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, Academia Europeia de Berlim, Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e Observatório da Emigração, conta com a participação de especialistas nacionais e internacionais na área das migrações. +
“Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária”, disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico – Fórum Portugal-Alemanha, que decorreu esta segunda-feira no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. +
“Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária”, disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico – Fórum Portugal-Alemanha, que decorre hoje no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. +
The initiative, under the theme "Perspectives on Migration: political action and civic engagement", organized by the Portuguese and German Ministries of Foreign Affairs, the Berlin European Academy, the ISCTE-IUL School of Sociology and Public Polices, and the Emigration Observatory, counted with the participation of several national and international specialists in the area of migration. +
“Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária”, disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico – Fórum Portugal-Alemanha, que decorre esta segunda-feiera no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. +
"Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária", disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico -- Fórum Portugal-Alemanha, que decorre hoje no ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa. +
"É preciso lidar com a perceção de que estamos a assistir a uma invasão", defendeu António Vitorino na conferência "Perspectives on Migration: Political Action and Civic Engagement -- Portuguese-German Forum" (Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico -- Fórum Portugal-Alemanha), a decorrer no ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa. +
A perceção negativa que a opinião pública tem dos migrantes é um dos principais problemas que a Organização Internacional das Migrações enfrenta atualmente, afirmou hoje o seu presidente, António Vitorino, garantindo que a realidade é muito diferente. +
“Existem, neste momento, na Turquia 3,6 milhões de sírios refugiados. Estão no estatuto de proteção temporária”, disse à Lusa Irena Vojacková-Sollorano, à margem da conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico — Fórum Portugal-Alemanha, que decorre hoje no ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa. +
"É preciso lidar com a perceção de que estamos a assistir a uma invasão", defendeu António Vitorino na conferência "Perspectives on Migration: Political Action and Civic Engagement - Portuguese-German Forum" (Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico - Fórum Portugal-Alemanha), a decorrer no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. +
Irena Vojacková-Sollorano está em Portugal, para assistir à conferência Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico - Fórum Portugal-Alemanha, que decorre esta segunda-feira. +
“É preciso lidar com a percepção de que estamos a assistir a uma invasão”, defendeu António Vitorino na conferência “Perspectives on Migration: Political Action and Civic Engagement -- Portuguese-German Forum” (Perspetivas sobre as Migrações: Ação Política e Compromisso Cívico -- Fórum Portugal-Alemanha), a decorrer no ISCTE -- Instituto Universitário de Lisboa. +
A iniciativa, sob o tema “Perspetivas das Migrações: Ação política e participação cívica” e organizada pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, Academia Europeia de Berlim, Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e Observatório da Emigração, conta com a participação de especialistas nacionais e internacionais na área das migrações. +
A iniciativa, sob o tema "Perspetivas das Migrações: Ação política e participação cívica" e organizada pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, Academia Europeia de Berlim, Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e Observatório da Emigração, conta com a participação de especialistas nacionais e internacionais na área das migrações. +
A iniciativa, sob o tema "Perspetivas das Migrações: Ação política e participação cívica" e organizada pelos ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, Academia Europeia de Berlim, Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e Observatório da Emigração, conta com a participação de especialistas nacionais e internacionais na área das migrações. +
Dia 6 de Maio realiza-se no ISCTE-IUL a conferência internacional “Perspectives on Migration: political action and civic engagement” que terá como keynote speaker o Dr. António Vitorino, diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM), bem como diversos especialistas nacionais e internacionais nesta área. Os Ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, a Academia Europeia de Berlim, a Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e o Observatório da Emigração têm o prazer de o/a convidar para participar em mais uma edição do Fórum Luso-Alemão este ano dedicado ao tema das migrações internacionais. +
A iniciativa, sob o tema "Perspetivas das Migrações: Ação política e participação cívica", decorrerá em Lisboa no próximo dia 06 de maio e nela participam especialistas nacionais e internacionais na área das migrações. A organização da conferência é da responsabilidade dos ministérios dos Negócios Estrangeiros português e alemão, Academia Europeia de Berlim, Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL e Observatório da Emigração. +
Caiu significativamente a emigração para o Reino Unido. Segundo o Observatório da Emigração, durante 2018, 18871 portugueses decidiram mudar de residência para aquele país, o que traduz uma queda de 17%. O pico tinha sido atingido em 2015. +
A presidente do Conselho Regional da Europa do Conselho das Comunidades Portuguesas apelou hoje ao voto dos emigrantes nas próximas eleições europeias e legislativas, para "mostrar o interesse" da emigração por Portugal. +
Segundo o Relatório do Observatório da Emigração, os portugueses enviaram para Portugal em 2018 a linda soma de 3.684,5 milhões de euros. Em cada minuto entram em Portugal 6 mil euros dos emigrantes. +
No programa Jornal das Comunidades, realizado pela jornalista Isabel Gaspar, na RDP internacional, foram analisados os dados mais recentes referentes à emigração portuguesa para a Dinamarca. +
O número de portugueses que emigraram para a Dinamarca cresceu 19% em 2018, para os 765, de acordo com dados estatísticos oficiais do país, divulgados hoje pelo Observatório da Emigração. +

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios