FR
DESTAQUE
2017-12-28
A emigração atingiu o seu valor máximo deste século em 2013, com cerca de 120 mil saídas, tendo desde então iniciado uma trajetória de descida em linha com a recuperação económica no país, embora a um ritmo mais lento. Em 2016, essa trajetória de descida teve mesmo uma aceleração, ficando-se o número de saídas por um valor da ordem dos 100 mil indivíduos. +
PUBLICAÇÃO
As práticas de desempenho de trabalho em contexto internacional vieram trazer novas condições de ação e de interação para indivíduos e organizações, para a gestão nas e das organizações. O presente working paper apresenta a expatriação organizacional como modalidade específica de exercício de trabalho global, definidora de contextos de integração social particulares que propiciam a diferenciação de trajetórias e a personalização do desempenho de papéis atribuídos. Partindo da análise de estudos de caso e de fontes estatísticas secundárias, a dificuldade do momento de regresso do indivíduo expatriado é equacionada como ilustração empírica da especificidade dos quadros de socialização constituídos por práticas organizacionais de expatriação. +
ENTREVISTA
Entrevista com Marcelo Borges
Marcelo Borges é argentino, doutorado em História pela Rutgers University, Nova Jérsia (EUA). O tema do seu doutoramento é a emigração portuguesa para a Argentina, em particular de algarvios, entre o fim do século XIX e início do século XX. +
Notícias
[OEm] Estão disponíveis, no sítio do Observatório, duas bases de dados sobre a emigração portuguesa. Pode consultar informação sobre as bases e, nas condições indicadas, solicitar o envio dos dados para exploração no âmbito de projetos de investigação ou da elaboração de teses ou dissertações. +

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios