FR
INQUÉRITO

Expectativas

de regresso de portugueses no estrangeiro
Início / Notícias e eventos / Notícias / Mobility Restrictions COVID-19
Mobility Restrictions COVID-19
A Organização Internacional para as Migrações desenvolveu uma base de dados sobre mobilidade global para mapear os impactos da COVID-19 na mobilidade humana, a nível global, regional e nacional. +

O actual surto de COVID-19 afectou a mobilidade global de formas complexas e sem precedentes, sob a forma de várias restrições de viagem, suspensão das viagens aéreas e encerramento das fronteiras. Para melhor compreender esta situação, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) desenvolveu uma base de dados sobre a mobilidade global para mapear estes impactos na mobilidade humana, a nível global, regional e nacional. Além disso, a COVID-19 teve um impacto desproporcionado nas populações vulneráveis em campos e cenários semelhantes aos dos campos, bem como exacerbou as vulnerabilidades das populações móveis que podem agora ficar retidas devido às restrições de mobilidade relacionadas com a COVID-19. Estes dados são particularmente importantes quando se trata de responder a necessidades específicas enfrentadas por migrantes e populações móveis.

Dado que o contexto da mobilidade global continua a evoluir rapidamente, a DTM continua a ser flexível e adaptável, adaptando as ferramentas existentes ou desenvolvendo novas ferramentas para analisar melhor a dinâmica em mudança. Subsequentemente, a OIM iniciou as seguintes actividades principais:

COVID-19 Travel Restriction Monitoring - Esta base de dados fornece relatórios diários sobre a rápida evolução das restrições de viagem impostas em resposta à pandemia COVID-19. Esta plataforma mapeia e analisa os diferentes países, territórios e áreas (C/T/A) que estão a impor restrições, bem como os que estão a receber restrições. Esta análise é desenvolvida categorizando os diferentes tipos de restrições em 14 categorias, incluindo se se trata de uma restrição total ou parcial à entrada. Este fluxo de trabalho utiliza fontes de dados secundários, como a Associação do Transporte Aéreo Internacional (IATA), relatórios dos meios de comunicação social e informações directas das missões dos países da OIM.

Com a mobilidade global quase estagnada, foram também emitidas pelos governos e autoridades restrições mais rigorosas e novas excepções à mobilidade, para reflectir este facto, a DTM também incorporou a análise das excepções às restrições à mobilidade, como os repatriamentos, a mobilidade dos peritos humanitários e médicos, a tripulação das companhias aéreas, etc., para captar a dinâmica em mudança do contexto da mobilidade global da COVID-19.

Para visualizar eficazmente esta situação, com base nos dados da base de dados COVID-19 Travel Restriction Monitoring, a equipa da DTM desenvolveu uma matriz interactiva de restrições de viagem para visualizar facilmente o estado actual das restrições de viagem que são impostas e recebidas por todo o país, território ou área simultaneamente.

COVID-19 Country Points of Entry (PoE) Status Baseline Assessment - A OIM desenvolveu uma base de dados de mobilidade global que faz o levantamento do estatuto dos diferentes pontos de entrada (PdE), a nível mundial. Estes incluem aeroportos, pontos de passagem de fronteira terrestres (que podem ser ferroviários ou rodoviários), pontos de passagem de fronteira azuis (marítimos, fluviais ou lacustres), pontos de trânsito internos e zonas de interesse. Para cada ponto de entrada, são recolhidos dados sobre o tipo de restrição, a medida aplicada e o calendário, bem como sobre a categoria da população que pode ser afectada pelas medidas restritivas. Este fluxo de trabalho utiliza o contributo directo das missões da OIM e este painel de bordo apresenta regularmente actualizadas as restrições de mobilidade ao nível do local.

Stranded Migrant Mapping - Para compreender melhor como as restrições de mobilidade relacionadas com a COVID-19 afectam os migrantes e as populações móveis, a DTM está a acompanhar a informação para fornecer uma visão global das diferentes categorias de migrantes em situações precárias através de fontes directas dos países da OIM e de pesquisas extensivas nos meios de comunicação social. Os tipos de população são os seguintes:

Os migrantes isolados são indivíduos incapazes de regressar em resultado das restrições de mobilidade relacionadas com a COVID-19. Podem incluir migrantes económicos, estudantes, titulares de vistos temporários/licenças de trabalho ou turistas. Estas populações podem estar a procurar repatriamento ou assistência enquanto permanecem no estrangeiro. Os migrantes repatriados ou que regressaram ao seu país de origem/país de residência estão organizados nas seguintes subcategorias:

O repatriamento/assistência aos migrantes repatriados inclui as pessoas que regressaram ao seu país de origem ou de residência através dos esforços de repatriamento do Governo.
Os Migrantes que regressam são indivíduos anteriormente retidos que regressaram ao país de origem/país de residência pelos seus próprios meios.

Os campos, centros de detenção ou instalações semelhantes a parques de campismo incluem populações que tenham residido em centros de trânsito, centros de detenção ou instalações semelhantes a parques de campismo que tenham sido afectados pelo surto da COVID-19.
Outras = categorias que não se enquadram obviamente nas três categorias acima enumeradas, tais como os trabalhadores migrantes com licenças/visitas de trabalho.

Connectivity Maps using Flow Monitoring in Response to COVID-19

Os mapas de conectividade utilizam os dados operacionais do DTM (Flow Monitoring Registry (FMR)) para compreender as tendências da mobilidade transfronteiriça da população dentro e entre determinadas áreas, a fim de ajudar a informar as estratégias de preparação e resposta em matéria de saúde pública em áreas específicas. Este fluxo de trabalho baseia-se nos dados de monitorização dos fluxos existentes para obter estimativas quantitativas do fluxo de indivíduos através de um local definido, a fim de captar a dinâmica das populações altamente móveis. Existem dois tipos de mapas de conectividade, mapas de "entrada" e mapas de "saída", em função do tipo de movimento. Além disso, esses mapas podem ser Subnacionais (mostrando as ligações de movimentos entre os PGF e os níveis administrativos 1 dentro do país do inquérito) ou Internacionais (mostrando os movimentos entre os PGF e os países). Os dados são agregados a um nível temporal, ou seja, utilizando o agregado do período total de recolha de dados. Esse período pode ser diferente para cada PGF e, a um nível espacial, utilizando movimentos individuais são agregados por PGF. Dependendo do tipo de movimento, ou seja, entrada ou saída, os movimentos individuais são também agregados pelo nível Admin 1 da origem (para movimentos de entrada) ou pelo nível Admin 1 do destino (para movimentos de saída) e pelo nível Admin 1 do destino. Os mapas de conectividade mostram apenas os dados geo-referenciados, o que significa que não mostram a totalidade do conjunto de dados do FMR. Para os mapas subnacionais, a informação sobre o Admin de nível 1 nem sempre está disponível.

 

Mais informações aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios