FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
Aproveitar as férias para manter a ligação a Portugal
2016-08-15
A proximidade geográfica não desempenha papel determinante na frequência das visitas dos portugueses residentes no estrangeiro. Emigrantes em Angola, Reino Unido e Moçambique vêm com mais frequência

Uma família, como tantas outras, de férias, entre tílias, camélias, magnólias e outras árvores dos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto. Nuno, Mafalda e a filha, Francisca, conversam em português, como de costume, mas a menina fá-lo com uma certa cadência britânica e por vezes responde em inglês.

Mafalda Ferreira foi sozinha. É engenheira alimentar. Surgiu-lhe a oportunidade de trabalhar num projecto de análise sensorial, uma ciência que utiliza os sentidos para avaliar as características de produtos, em Inglaterra. Dois anos e estaria de volta. O marido ficaria com a filha. “Comecei a sentir-me sozinha”, diz ela. “Comecei a sentir muitas saudades da mãe”, diz a filha.

 

Nuno já tinha assumido um papel preponderante na educação da filha. Estudara gestão e contabilidade e abrira uma empresa de construção. Há oito anos, pouco depois de Francisca nascer, estava o sector quebrado, mudou o escritório lá para casa. “A decisão [de partir] não foi difícil”, afirma. “É uma experiência. É bom para a Francisca. A área da construção está como está.”

Nuno, agora com 42 anos, assumiu um lugar que, na emigração tradicional, estava reservado às mulheres. Mafalda, agora com 35, assumiu um lugar que, na emigração tradicional, estava reservado aos homens. Ele cuida da filha, trata da casa e trabalha em part-time numa escola de primeiro ciclo como assistente de um professor. E ela, que entretanto foi descoberta por um caçador de talentos, lidera um projecto numa multinacional. Os dois anos de emigração já vão em quatro.

 

Ler artigo completo no Publico, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios