FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
O sonho português nos EUA. Obrigado campeões
2016-07-12
Quando há cerca de um mês tive um convite para ser orador numa conferência que começa hoje em Washington, percebi que teria de viajar ou no dia da final ou na véspera. Marquei por isso o voo em função do calendário do Euro, ainda que na altura, a esperança de ver a nossa selecção a disputar a Taça não fosse muita. É honesto reconhecer que só praticamente a equipa de Fernando Santos acreditou desde o início no sonho da vitória e teve o mérito de ir conquistando jogo a jogo mais e mais portugueses e de ir provando que os sonhos se tornam realidade com esforço, trabalho e perseverança, apesar das dificuldades e contrariedades que vão aparecendo pelo caminho.

Tive o privilégio de assistir a esta grande vitória junto da comunidade portuguesa que vive em Newark nos Estados Unidos da América e não podia ter escolhido melhor local. Foi um dia que ficará para sempre na minha memória.

Na Casa do Ribatejo em Newark, associação local construída com o empenho de portugueses de Santarém, do Cartaxo (Manique do Intendente e Maçussa), da Azambuja, de Torres Novas, de Rio Maior e até de Mação, senti-me em casa. Respirava-se emoção, saudade, orgulho. Estive lado a lado com portugueses que choraram com a lesão do nosso capitão, senti com eles a angústia a aumentar com o passar dos minutos, cada um de nós fazia força para compensar a ausência do Cristiano e todos ficámos igualmente emocionados com o golo do Éder. Mal soou o apito final, todos nos arrepiámos, meio incrédulos. Éramos todos campeões da Europa: eu, a senhora da CGD, o homem dos transportes, o bate-chapas, a gestora de fortunas, a "chefe" do rancho local, a diligente senhora do Consulado português, o simpático professor do "Camões". Todos campeões. O Mayor local juntou-se à festa, a polícia de Newark saudou os nossos emigrantes, e muitas outras comunidades juntaram-se à celebração portuguesa.

As lágrimas de felicidade e os sorrisos espontâneos de orgulho genuíno daqueles portugueses com sotaque "americano" que desfilaram nas ruas de Newark, que vestiram a camisola da nossa selecção, que efusivamente cantaram o nosso hino nas ruas dos EUA, são as mesmas lágrimas e sorrisos de portugueses que anteriormente perseguiram um sonho: que emigraram, que arriscaram, que tiveram ou não sucesso mas que sabem bem o que é a dificuldade, o empenho e o espírito de sacrifício.

 

Ler artigo completo no Expresso, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios