FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
Reino Unido vai continuar a precisar dos portugueses que lá trabalham
2016-06-25
É o quinto país da Europa onde residem mais portugueses e pela sua "formação de qualidade" continuarão a ser precisos, destacam responsáveis de Ordens profissionais

Brexit

Reino Unido vai continuar a precisar dos portugueses que lá trabalham

É o quinto país da Europa onde residem mais portugueses e pela sua "formação de qualidade" continuarão a ser precisos, destacam responsáveis de Ordens profissionais

Texto de Clara Viana • 25/06/2016 - 01:54

Distribuir

 
Imprimir

//

A A

 

PUB

Números por baixo: 5000 enfermeiros, 600 engenheiros, mais de mil investigadores. Estes são alguns dados da presença portuguesa no Reino Unido fornecidos ao PÚBLICO pelas respectivas Ordens profissionais e pela "Portuguese Association of Researchers and Students in UK" (PARSUK).

 

No total, em Maio passado, estavam registados nos consulados de Portugal no Reino Unido 210.124 portugueses, informou a Secretaria de Estado das Comunidades, que no entanto “estima que a comunidade tenha crescido substancialmente dado que o número de portugueses inscritos na Segurança Social britânica, em Dezembro de 20154, somou 234.850”. Entre 2013 e 2016, o número de inscritos nos consulados do Reino Unido aumentou 22,3%. É quinto país da Europa onde residem mais portugueses.

 

O que se espera que lhes aconteça quando se concretizar a saída do Reino Unido da União Europeia? O PÚBLICO ouviu representantes de alguns dos grupos profissionais que mais têm procurado trabalho naquele país. Ressalva comum a todos: ainda é cedo demais para se saber quais os impactos desta deserção. “Por agora sobram as incógnitas”, frisa Pedro Antes da PARSUK.

 

Comecemos então pelos enfermeiros e pela sua bastonária, Ana Rita Cavaco. Os registos oficiais dão conta de que, nos últimos cinco anos saíram mais de cinco mil enfermeiros para o Reino Unido, que continua a realizar acções de recrutamento periódicas em Portugal. Mas esta é uma avaliação por baixo, confirma Ana Rita Cavaco, que dá mais dois exemplos: só este mês centenas destes profissionais partiram para aquele país; e metade dos que estão agora a terminar os cursos de enfermagem no ensino público têm já emprego garantido no Reino Unido. Serão cerca de mil.

 

Ler artigo completo no Público3, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios