FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
Do bidonville ao poder
2016-06-10
Chegaram com nada, trabalharam para fugir à miséria do maior bairro de lata francês e hoje são empresários de sucesso em França. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa vão estar com eles em Paris esta sexta-feira para assinalar o 10 de Junho. Rostos de um Portugal que deu certo. Daniel Ribeiro, correspondente em Paris

Construíram a pulso grandes fortunas e empresas e, nas regiões onde estão instalados, dominam mesmo os colegas franceses no seu ramo de negócios. Almoçam e jantam regularmente com as mais altas autoridades francesas – prefeitos, presidentes de regiões ou de câmaras, deputados e ministros. Têm em comum serem ricos, viverem em palacetes, possuírem barcos de lazer e conjuntos únicos, inacreditáveis, de dezenas de carros de coleção. E também o facto de terem sido emigrantes pobres e de terem começado a trabalhar quando ainda eram crianças. Muitos viveram nos anos 1960/70 no gigantesco bairro de lata português de Champigny-sur-Marne, nos arredores de Paris, que ficou para a história como o maior bidonville de sempre em França (15 mil pessoas, num terreno baldio de 45 hectares).

Alguns foram emigrantes clandestinos, viveram anos a fio a chapinhar na lama, em barracas ou casitas em tijolo, sem eletricidade, sem água canalizada, sem retrete, sem esgotos e sem serviço de recolha do lixo. Comparando a situação dos portugueses da época do bairro de lata de Champigny com as condições sanitárias, minimamente corretas, em que vivem os emigrantes e refugiados na atual “Selva”, em Calais – onde se amontoam de três a cinco mil pessoas de diversas origens –, este bairro de lata do Norte da França é um luxo que, por vezes, alguns portugueses, emigrantes de há 50 anos, invejam.

 
Ler artigo completo no Expresso, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios