FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
Jogar à roleta entre Portugal e a Suíça
2016-04-03
O mercado paralelo de transporte de emigrantes fez 12 mortes há uma semana. Mas os comportamentos de risco e o amadorismo destas viagens deixam perceber que só por sorte não há mais acidentes graves.

De porta de casa em Portugal à porta de casa na Suíça. E com toda a bagagem que queiram levar consigo - enchidos e queijos da terra incluídos. No tempo dos voos low cost e das promoções de passagens aéreas a preços inimagináveis há uns anos, a comodidade e facilidade são as principais razões que levam a maior parte dos emigrantes portugueses a optar por percorrer sobre quatro rodas os cerca de 1.500 quilómetros entre os principiais pontos de ligação dos dois países. Mas fazem-no num transporte completamente à margem das regras.

O que está em causa nem é tanto a diferença de preços. Uma viagem entre Lamego e Genebra - numa carrinha como aquela em que, há uma semana, 12 portugueses morreram, num choque frontal  - nunca ficará a menos de 130 euros. Se as malas forem muitas, o valor ‘simbólico' a cobrar pode facilmente fazer a deslocação chegar perto dos 200 euros. Só de ida.

Um voo pela TAP entre o Porto e Genebra, na tarifa mais baixa, pode ficar pouco acima desse valor - mas o avião não recolhe os passageiros em casa, não os leva ao ponto preciso em que querem terminar a viagem e muito menos ajuda a carregar as malas.

Só que o risco é maior quando a viagem se faz nestes meios de transporte que atuam à margem da lei. Por vezes, a ânsia de chegar é tal que as paragens são reduzidas ao mínimo indispensável, porque cada minuto conta. 

 

Ler artigo completo no Jornal Sol, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios