FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
Condecoração portuguesa emociona fotógrafo dos bairros de lata portugueses
2016-06-04
De todas as distinções que recebeu na sua carreira, é a Ordem do Infante D. Henrique que mais comove Gérald Bloncourt, o fotógrafo que imortalizou os bairros de lata portugueses em França.

"Não estava à espera de uma tal distinção. Fiquei mesmo estupefacto e muito feliz porque de todas as condecorações que tive, foi esta que mais me emocionou, que mais me tocou. É o reconhecimento das imagens que fiz em solidariedade com o povo português e que fui transmitindo para denunciar a humilhação feita a um povo e as condições sórdidas nos bairros de lata", disse o fotógrafo à Lusa.

A 11 de junho, no dia em que vai receber a insígnia pelo Presidente da República em Champigny, a cidade onde outrora fotografou os "bidonville", o fotógrafo franco-haitiano, vai levar um cravo no chapéu como o que trouxe de Portugal depois de ter coberto o 1º de maio de 1974.

"A única palavra que conheço [em português] é obrigado. Obrigado ao povo português. É o meu povo. Tornei-me um português graças a toda esta aventura. É um povo digno, filho dos grandes descobridores. Uma civilização extraordinária", sublinhou o artista de de 89 anos.

Para Gérald Bloncourt o fotojornalismo é uma forma de militância depois de ter sido expulso do Haiti, no final dos anos 40, por razões políticas. Foi ao colaborar com jornais franceses de esquerda, como o "L`Humanité" e "La Vie Ouvrière", que descobriu os bairros de lata portugueses, nos arredores de Paris, a começar pelo de Champigny, onde foi confundido com um polícia na primeira noite de reportagem.

"Obrigaram-me a entrar numa barraca. Cá fora era só lama, lá dentro era pobre. Tirámos os sapatos e foram buscar o chefe do bairro. Quando chegou disse-me: "Que fazes aqui?!" Era um operário da Renault que eu conhecia bem. Deu-me um abraço, bebemos um porto e fui integrado", continuou.

Gérald Bloncourt quis ir mais longe e decidiu acompanhar os portugueses de perto e fazer com eles uma parte da chamada viagem "a salto", marcada por "enxurradas e as dificuldades em caminhar, com os sapatos a desgastar rapidamente".

"Conheci um dos passadores a quem paguei e que me deu um ponto de encontro em Espanha. Passámos de Espanha a França a pé, à noite. Por vezes, escondíamo-nos porque havia a guarda espanhola e a polícia francesa e era preciso esconder-se. Passámos mas de forma muito difícil porque estava muito frio. Eles não queriam ser fotografados porque eram clandestinos, mas ainda assim roubei algumas imagens e salvei algumas fotografias", contou.

 

Ler artigo completo na RTP, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios