FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2016
O Presidente vai a Paris e os emigrantes agradecem-lhe essa lembrança
2016-05-30
Comunidade portuguesa está satisfeita com as celebrações do 10 de Junho na capital francesa e aplaude decisão de Marcelo. “É o Presidente do povo, os outros não saíam do gabinete”, comenta-se.

É domingo de manhã, a hora de almoço aproxima-se e Carlos Palmeira faz compras no mercado de Puteaux, bairro simpático não muito distante do coração de Paris, de casas e prédios pouco altos com vista para os gigantes e envidraçados edifícios da La Defénse. Faz os pedidos em português numa banca com produtos que lhe são familiares: bacalhau, azeite, azeitonas, doces de várias regiões de Portugal. Todos os dias acompanha o que se passa no seu país pelos três canais de televisão portugueses que recebe em casa e pela rádio Alfa, emissora portuguesa em França, que está sintonizada no carro. A vinda do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa à capital francesa a 10 de Junho, na primeira vez em que as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades têm programa oficial no estrangeiro, passou-lhe despercebida no meio da informação que vai escutando e digerindo. “Ainda há alguém que se lembra da gente”, reage o empresário da construção civil natural da Moita, ? Ribatejo, emigrante há precisamente 30 anos.

Carlos Palmeira está contente com a vinda do Presidente e garante que não faltará. Logo que saiba o programa, organizará a vida para assistir às cerimónias. Não esconde a sua costela de esquerda, mas revela uma certa satisfação por ver Marcelo na Presidência da República. Pensa alto e partilha o que lhe vai na cabeça. “Se ele fosse primeiro-ministro, com as ideias que tem e pelo que vai dizendo, talvez endireitasse Portugal”, comenta.

Acompanhou a constituição do Governo de esquerda, segue o que se vai passando em termos políticos e considera que o Presidente da República deve pôr alguns travões quando assim entender. “Não pode deixar fazer tudo o que eles querem”, diz. “Eles” são a esquerda, a maioria parlamentar que apoia o executivo socialista de António Costa. Os tempos de austeridade também não lhe passam desapercebidos. “Passos Coelho foi longe de mais, passou do oito ao 80”.

 

Ler artigo completo no Público, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios