FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2016
Venezuela: Já falta pão português em Caracas
2016-05-29
A padaria Ângela é uma das mais antigas da capital da Venezuela e o dono é Diamantino Araújo, de Aveiro. Nas últimas semanas, a produção caiu para metade. Falta a farinha e o pão nas prateleiras.

A padaria Ângela é uma das mais antigas da capital da Venezuela e o dono é Diamantino Araújo, de Aveiro. Nas últimas semanas, a produção caiu para metade. Falta a farinha e o pão nas prateleiras.

“Em média fazia diariamente 12 sacos de 45 quilos de farinha e agora estou a fazer quatro. Aos fins de semana não dava vazão a isto”, explicou à Lusa o empresário, em Caracas.

A preocupação é visível na cara de Diamantino Araújo, a viver num país que quase todos os dias aparece nas notícias em todo o mundo devido às filas à porta de supermercados semivazios ou pelas manifestações, mais ou menos violentas.

Na Venezuela, há muitos portugueses que vivem do pequeno comércio, como Diamantino Araújo. Também há fábricas paradas ou semiparadas. A culpa é da falta de bens e da crise económica que abala o país.

A crise afeta todos. A fábrica de enchidos Castelo Branco reduziu a metade a sua produção e despediu quase 80 empregados, afirma o seu administrador, o português Osvaldo Freitas, a viver há 50 anos na Venezuela.

“Chegámos a produzir 700 toneladas, mas agora estamos pelos 60% da produção”, acrescenta. O problema, mais uma vez, “é conseguir ingredientes e matérias-primas, que são importadas”.

O bolívar, moeda nacional, pouco vale nos mercados internacionais, criando uma espiral de inflação insuportável para um país que pouco produz além do petróleo. Tudo o resto é importado.

 

Ler artigo completo no Económico, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios