FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2016
Problemas com recenseamento impedem alguns emigrantes portugueses de votar no Luxemburgo
2016-01-23
Os emigrantes portugueses começaram neste sábado a votar nos Consulados, que vão estar abertos durante dois dias para as eleições presidenciais, mas no Luxemburgo houve muitos que não o fizeram, por não constarem dos cadernos eleitorais.

Carlos Gomes apanhou o comboio em Dudelange, a 25 quilómetros do Luxemburgo, e pagou mais dez euros pelo táxi que o levou da estação até ao Consulado, porque "tinha medo que fechasse à hora de almoço", mas afinal não pôde votar.

O problema, explicou-lhe um funcionário, é que fez o cartão de cidadão em Portugal e o nome foi excluído dos cadernos eleitorais no estrangeiro. Apesar de viver há 28 anos no Luxemburgo, neste acto eleitoral, teria de ir votar a Mortágua.

"Tivemos pessoas que fizeram o cartão de cidadão em Portugal e deixaram de estar recensadas aqui, e lá também não as informaram", explicou à Lusa o cônsul de Portugal no Luxemburgo, Rui Monteiro.

"Lá sempre votei, e aqui também já votei e pensei que estava inscrito. Fiz o passaporte novo aqui no Consulado, e agora vinha para dar a minha opinião, mas afinal...", queixou-se o operário da construção.

Na mesa de voto, um dos voluntários diz-lhe que "se houver segunda volta, pode vir votar", se até lá alterar a morada no Consulado, uma informação que um funcionário corrigiu, esclarecendo que os cadernos eleitorais fecharam 60 dias antes das eleições.

 

Ler artigo completo no Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios