FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Migrações. Regresso a Portugal? Só se as crises obrigarem
2015-12-29
Crises económicas em países da comunidade lusófona, de que é exemplo maior o Brasil, podem fazer crescer os números da imigração

As agências de recrutamento internacional têm agendadas ações para janeiro. Os anúncios de emprego promovem vagas no estrangeiro. As organizações profissionais continuam a ser contactadas por quem vai emigrar. E nas redes sociais são muitas as perguntas aos amigos emigrados de quem quer partir. Ou seja, não se prevê um regresso de emigrantes em 2016, a não ser de países que estejam com problemas económicos e/ou políticos, como Angola. É mais provável a vinda de imigrantes, mas também aqui por dificuldades na origem, como é o caso do Brasil. E quem vem traz na bagagem a vontade de partir se a coisa não correr bem. Situação dramática para a demografia portuguesa, muito envelhecida.

Emigraram 400 mil portugueses nos últimos quatro anos, tanto como estrangeiros que imigraram para Portugal em 40 anos. À pergunta: "Haverá um retorno de emigrantes em 2016?", Rui Pena Pires, sociólogo e coordenador do Observatório da Emigração (OE), é perentório: "Não." E a principal razão é que "não houve, e não é provável que haja, uma alteração de fundo nas diferenças de oportunidades que existem em Portugal e nos países de destino".

A vice-coordenadora do Sindicato dos Enfermeiros, Guadalupe Simões, confirma. "Não há melhorias em Portugal, não há uma valorização do trabalho, pelo contrário, assistimos a uma degradação das condições. E os salários são tão baixos que, mesmo com a diminuição dos cortes fiscais, vai sentir-se pouca diferença". Os enfermeiros têm ido sobretudo para o Reino Unido, também para a Bélgica e para a Suíça, além dos Emirados Árabes, do Dubai e do Qatar. Vão ganhar o triplo do que receberiam no seu país, cerca de mil euros para um profissional com dez anos de experiência.

 

Ler artigo completo no Diário de Notícias, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios