FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Costa avisa que há um “tempo novo” mas o caminho não será fácil
2015-12-25
Primeiro-ministro deixou uma mensagem de Natal baseada na ideia da confiança, prometeu manter a redução do défice e da dívida e apelou ao diálogo e ao compromisso entre todos os portugueses, como o alcançado pelos partidos à esquerda.

Um "tempo novo", de "esperança" e de "confiança" - é assim que António Costa quer olhar para 2016, crente que a solução governativa que encontrou, com o apoio inédito do resto da esquerda, conseguirá dar "resposta às necessidades do país" funcionando na base do "diálogo, da transparência e do compromisso". Mas o primeiro-ministro também avisa que o caminho que Portugal tem pela frente "não será fácil", uma vez que enfrentamos "enormes desafios" e teremos "muitos obstáculos a ultrapassar".

Na sua estreia nas mensagens televisivas de Natal como primeiro-ministro, António Costa mostrou-se confiante que a mudança política operada recentemente no país "permitirá virar a página da austeridade" e colocá-lo no "caminho do crescimento", depois de um ano que "ainda impôs às famílias enormes sacrifícios".

Lembrou as primeiras medidas de devolução de rendimentos aprovadas pelo Parlamento e pelo novo Governo - como a reversão de cortes salariais e de pensões e aumento do salário mínimo - e defendeu que só com "mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade" o país poderá preparar-se para enfrentar os tais desafios difíceis do futuro. Garantindo estar "empenhado" neste triplo desígnio, apelou também à "união, solidariedade e mobilização" dos portugueses - como já aconteceu a nível político. "A nossa capacidade colectiva tornará possível a construção de um tempo novo para Portugal. Um tempo novo que traga crescimento e prosperidade", acredita António Costa.

O governante não esqueceu o seu caderno de encargos: prometeu procurar manter a "consolidação sustentada das finanças públicas", através de uma trajectória de redução do défice orçamental e da dívida pública. Porém, "para retomar o caminho do progresso e superar a crise orçamental, será fundamental uma estratégia de modernização da economia assente no investimento na cultura, na ciência e na educação como pilares-chave de desenvolvimento do país".

 

Ler artigo completo no Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios