FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2015
Portugueses substituem indianos e filipinos no Reino Unido
2015-12-03
No Reino Unido, podem desempenhar algumas funções dos médicos, enquanto na Alemanha são-lhes atribuídas tarefas típicas de auxiliares.

O recrutamento estrangeiro em Portugal é determinante para os enfermeiros portugueses emigrarem. Se os recrutadores não viessem cá  oferecer emprego, "seria provável que uma parte significativa dos que decidiram emigrar tivessem ficado em Portugal, desempregados ou a trabalhar noutra área", observa a investigadora Cláudia Pereira no livro Vidas Partidas - Enfermeiros Portugueses no Estrangeiro.

As ofertas de emprego são tão variadas que permitem aos enfermeiros escolher o país de destino. "Eu tinha um panorama de ofertas de trabalho para diversos países europeus, quer de língua inglesa, quer de língua francófona. Esta situação deixava-me completamente fora de mim: como é que há tanta falta de enfermeiros nestes sítios e como é possível pagarem estes ordenados e estas condições?", pergunta Nuno, 28 anos, enfermeiro em Inglaterra, um dos entrevistados pela investigadora.

Mas esta realidade é recente. Recuando uma década, em 2005, apenas 15 enfermeiros portugueses foram trabalhar para o  Reino Unido. No ano passado foram 1286. Desde 2012, os enfermeiros portugueses são a segunda principal nacionalidade estrangeira no país, logo a seguir aos espanhóis. Em conjunto com os espanhóis e os romenos, têm vindo a substituir os enfermeiros indianos e filipinos que predominavam no Reino Unido no início do século. Foram as restrições na política de imigração decretadas pelo conservador David Cameron que obrigaram os empregadores, sobretudo a partir de 2010, a reorientar os esforços de recrutamento para os países do Sul e do Leste da Europa.

É um movimento que não parece ter retorno. Os portugueses que chegam ao Reino Unido rapidamente percebem que a forma de trabalhar é diferente e que ali podem mesmo desempenhar algumas funções que em Portugal competem aos médicos. Por exemplo, os que se especializam em obstetrícia examinam as grávidas e, com alguma formação adicional,  até podem prescrever alguns medicamentos.

 

Ler artigo completo no Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios