FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Enfermeiros: formação de excelência para emigração a custo zero
2015-10-11
O sistema de saúde português/serviço nacional de saúde precisam urgentemente de mais Enfermeiros! Por Jorge Cadete.

Portugal não tem conseguido dignificar convenientemente os Enfermeiros e a Enfermagem. A situação nos últimos anos tem vindo a agravar-se suscitando-me diversas preocupações.

Preocupa-me a defesa da imagem destes profissionais nos cuidados de saúde prestados à população! Preocupa-me na saúde o presente e o futuro! Preocupa-me a situação económico-financeira do meu país! Preocupam-me os números apresentados para os cuidados de saúde! Preocupa-me o estado social das pessoas! Preocupa-me o futuro do cidadão, ser humano utilizador e necessitado de cuidados de saúde. Preocupa-me a saída maciça de enfermeiros jovens e com anos de exercício! Estas preocupações prendem-se com a qualidade e com a segurança dos cuidados de Enfermagem prestados; com a ausência dos mesmos; com as condições do exercício profissional; com a sobrecarga de doentes e de turnos contínuos; com as dotações deficitárias dos enfermeiros e dos enfermeiros especialistas. Portugal forma anualmente cerca de três mil Enfermeiros. Jovens recém-licenciados que acabam por abandonar o país em prol de melhores condições e valorização profissional.

 

Este ano, até à presente data, a Ordem dos Enfermeiros recebeu mais de 2700 inscrições com pedido de atribuição do título profissional de Enfermeiro. Só na Secção Regional Norte foram cerca de 950 novos pedidos. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), na região norte, o rácio de Enfermeiro/doente, deveria ser de 8,6 por 1000 habitantes e temos cerca 6,5 Enfermeiros. É incompreensível e inaceitável continuar a formar estes Enfermeiros com qualificação excelente, com custos do erário público e das suas famílias, para emigrarem a custo zero. De 2009 até ao final de 2014 calculamos uma emigração de cerca de 12 000 enfermeiros! Estes profissionais de excelência fazem-nos falta no Sistema de Saúde Português (SSP). Com estes Enfermeiros teríamos cuidados de saúde mais seguros e mais eficazes. Não há dúvidas quanto à qualidade da formação. Entidades nacionais e, especialmente, internacionais, reconhecem que os Enfermeiros portugueses têm uma formação académica de elevado nível. Estamos perante um desaproveitamento do investimento na formação.

 

Ler artigo completo no Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios