FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Quanto custa a emigração qualificada (e outros nove factos para acabar de vez com a hipocrisia)
2015-09-12
Além do serviço da dívida, que é brutal, a transferência de recursos entre Portugal e o centro da Europa depaupera enormemente o país. Por João Teixeira Lopes.

Um estudo coordenado por Rui Gomes da Universidade de Coimbra, no qual participei como investigador, no âmbito de uma equipa pluridisciplinar de sociólogos e economistas, de diversas universidades portuguesas (Porto, Coimbra, Lisboa) resolve algumas das hesitações que ainda se colocam no debate público sobre a emigração qualificada, vulgarmente apelidada de "fuga de cérebros" (expressão que me desagrada por pressupor que os emigrantes menos qualificados não têm "cérebro" - fica registada a autocrítica...)

O estudo administrou um inquérito por questionário on-line a uma amostra, intencional e não aleatória, composta por 1011 portugueses detentores de um diploma do ensino superior (ou que desempenhassem ou tivessem desempenhado funções profissionais compatíveis com essa habilitação) que estivessem a trabalhar ou a residir noutro país europeu, ou que o houvessem feito nos seis anos anteriores. De igual modo, realizaram-se dezenas de entrevistas biográficas, que sairão no livro "Fuga de cérebros. Retratos da emigração qualificada portuguesa", editado pela Bertrand.

 

Ler artigo completo no Esquerda.net, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios