FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Nível da abstenção pode crescer com novos emigrantes
2015-08-06
Os cerca de 487 mil portugueses que emigraram entre 2011 e 2014, dos quais 288 mil temporariamente e os restantes 199 mil de forma permanente, poderão fazer aumentar a abstenção nas eleições legislativas de 4 de outubro. O sinal amarelo está nas páginas da imprensa desta quinta-feira.

Apesar de os dados exatos do recenseamento só serem apurados dentro de duas semanas, verifica-se um aumento de 61.747 eleitores, com o maior crescimento a registar-se nos círculos eleitorais da emigração, que passaram de um peso total de 2,03 para 2,5 por cento. Estes 487 mil portugueses que emigraram nos últimos quatro anos, a maioria em idade de votar, saíram da sua residência em Portugal, sujeitos ao recenseamento obrigatório e automático, e foram para países onde o recenseamento é voluntário e efetuado nos consulados. Muitos destes novos emigrantes estão recenseados na freguesia onde residiam e poderão não se deslocar às assembleias de voto nas eleições de 4 de outubro, o que fará aumentar a abstenção fantasma. "Com o recenseamento automático a abstenção fantasma passa a ser residual", afirmou ao jornal i uma funcionária da Administração Eleitoral da Direção Geral da Administração Interna. 

Ver artigo completo na RTP, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios