FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
A emigração é um problema também para as eleições
2015-08-05
Em quatro anos, emigraram de forma permanente cerca de 200 mil portugueses. Mas só 20% se terá recenseado fora de Portugal. Serão menos duas centenas de milhar a votar. Logo, a abstenção vai subir.

O voto dos emigrantes sempre foi um problema nas eleições. Melhor dizendo, o não voto dos emigrantes sempre foi um problema nas eleições. E será ainda maior em outubro, depois de terem emigrado de forma permanente mais de 200 mil pessoas nos últimos quatro anos. O número de emigrantes recenseados fora de Portugal até aumentou, mas é uma gota no oceano de trabalhadores portugueses fora do país. A maioria continua recenseada por cá e não virá votar no dia 4. A principal consequência é o aumento da abstenção, que já é das mais altas da Europa.

Vamos ter uma "abstenção ainda maior do que em outras eleições, mesmo que haja uma boa afluência dos eleitores que cá vivem, esse impacto não se traduzirá numa redução da abstenção. A abstenção não vai reduzir-se porque uma parte destas pessoas estão fora", diz ao Observador o diretor-geral da Administração Interna, responsável pelo recenseamento eleitoral, Jorge Miguéis.

Liliana Valente

Ver artigo completo no Observador, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios