FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Portugal perdeu 200 mil habitantes em cinco anos
2015-06-16
Dados do INE conhecidos esta terça-feira dão conta de que, só no ano passado, a população residente caiu em 50 mil pessoas.

Desde 2009 e 2010, quando a população residente atingiu um máximos dos últimos anos, o número de pessoas que vivem em Portugal decresceu anualmente a um ritmo superior a 50 mil pessoas.

Em 2011, viviam em Portugal 10,542 milhões pessoas, abaixo das 10,575 milhões de 2009 e 2010, revelam as estimativas de População Residente em Portugal, dadas a conhecer esta terça-feira pelo INE. 

À cabeça das razões para este decréscimo estão os valores negativos do saldo natural (diferença entre nascimentos e óbitos) e do saldo migratório.

Apesar da queda do número de nados vivos e de óbitos, o índice de fecundidade registou uma recuperação ligeira (para 1,23 filhos por mulher, face a 1,21 em 2013).

Já os valores da emigração superiores aos da imigração penalizam pelo quarto ano consecutivo o número de residentes. O número estimado de emigrantes temporários continua a ser superior ao de emigrantes permanentes e cresceu 10 mil no espaço de um ano, para 85 mil.

Do total de população estimada em 2014, as mulheres permanecem a maioria entre a estrutura populacional portuguesa: 5.451.156, 'versus' 4.923.666 homens.

O INE dá nota da continuação do envelhecimento demográfico dos últimos dez anos, que atribui à descida da natalidade, do aumento da longevidade e ao recente impacto da emigração.

 

Alexandre Frade Batista    

Ver Económico, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios