FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Emigrantes portugueses vão continuar sem poder votar no Luxemburgo
2015-06-08
Os luxemburgueses não querem que os estrangeiros residentes no Grão Ducado tenham direito de voto e foi isso mesmo que ficou expresso no referendo de ontem. Mais de 78% de eleitores optaram pelo “não”.

"A mensagem é clara e foi bem entendida. Não é um êxito para os partidos do governo. Respeitaremos o resultado", disse Bettel, um liberal de 42 anos que chegou ao governo no final de 2013.

As outras duas perguntas do referendo também foram recusadas: a redução do direito ao voto para 16 anos (80,87% "não") e a limitação a dez anos consecutivos dos mandatos dos ministros (69,93% "não").

À frente de um governo de coalizão com os socialistas e os Verdes, Bettel fez campanha até o sábado a favor do "sim", defendendo "mais democracia (...) juventude e diversidade".

"Não haverá um antes e um depois após o referendo", lamentou. "Mas há um só Luxemburgo, uma só sociedade na qual devemos conviver", declarou ontem.

Eram esperados nas urnas 244.380 eleitores luxemburgueses, de uma população total de 565.000 habitantes.

Outorgar o direito de voto aos estrangeiros que residem em Luxemburgo há mais de dez anos afetaria 46% da população, principalmente europeus, em primeiro lugar portugueses, que representam 16,4% da população. Os estrangeiros não europeus constituem 7% da população.

Os luxemburgueses temem a diluição de sua influência na sociedade, levando-se em conta que os estrangeiros já são indispensáveis à economia desse país localizado entre França, Bélgica e Alemanha.

 

Ver Port.com, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios