FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
O Novo Banco vai reembolsar emigrantes que investiram 727 milhões em dívida dos BES
2015-03-09
O Novo Banco já tem solução para os oito mil clientes emigrantes que investiram em produtos de aforro do BES, disse hoje o presidente-executivo Eduardo Stock da Cunha.

O Novo Banco já tem solução para os oito mil clientes emigrantes que investiram em produtos de aforro do BES, disse hoje o presidente-executivo Eduardo Stock da Cunha.

"A solução está encontrada e só falta desmontar os veículos para termos acesso aos activos subjacentes", afirmou Stock da Cunha. Em causa estão clientes não residentes em Portugal que investiram em veículos denominados Poupança Plus, Euroaforro e Top Renda.

O presidente do Novo Banco referia-se poupanças aplicadas em veículos criados pelo Credit Suisse e maioritariamente detidos por emigrantes portugueses de primeira geração residentes em França e na Suíça. Em termos geográficos, estes são clientes oriundos das tradicionais zonas de emigração, nomeadamente Trás-os-Montes, Beira e Alto Minho, sendo que, em média, estes clientes tinham no BES 100 mil euros, dos quais 80% investidos nestes produtos.

Stock da Cunha frisou que o processo encontra-se numa fase avançada, mas não revelou em que consiste. Nomeadamente, se poderá passar pela conversão em depósitos a prazo, como foi feito com os clientes que tinham investido em obrigações do BES com promessa de recompra. Qualquer que seja a solução, Stock da Cunha relembrou que o Banco de Portugal "tem de aprovar tacitamente" a operação, sendo que "não pode afectar a liquidez, o capital e a rentabilidade" do Novo Banco.

Relativamente aos 3.000 clientes lesados pelo papel comercial das empresas não financeiras do Grupo Espírito Santo, o presidente do Novo Banco fez questão de sublinhar que não é uma dívida da instituição financeira mas sim de entidades externas, sendo que só o Banco de Portugal pode resolver a questão.

Apesar disso, Stock da Cunha reiterou que não vai desistir e que vai "tentar resolver este tipo de situação", sendo que o Banco de Portugal "foi muito claro ao dizer que não cabe ao Novo Banco pagar". "Não sei se conseguimos arranjar uma solução, mas não atiro a toalha ao chão", frisou, acrescentando que acredita ser "possível arranjar alguma solução para um problema" que não criou, que não é da sua responsabilidade, "mas que é complicado e impacta-nos".

O Novo Banco registou prejuízos de 467,9 milhões de euros entre 4 de Agosto (dia seguinte à sua criação) até 31 de Dezembro, anunciou esta segunda-feira em comunicado divulgado ao mercado. Os resultados foram condicionados pelas provisões de 699,1 milhões de euros, dos quais cerca de metade estão relacionados com o crédito a clientes, nomeadamente o que tem acções nacionais como colateral. Só nas participações na Portugal e na Oi - o Novo Banco votou a favor da venda da PT Portugal - a instituição enfrenta uma imparidade de 108 milhões de euros.

"É possível termos resultado positivo em 2016, mas 2015 é outra história. Mas não pensamos que 2015 terá um resultado corrente negativo no sentido em que tivemos em 2014", disse Stock da Cunha.

 

Ver Económico, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios