FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2015
Deputado acusa Governo de "favorecimento partidário" em encontro de eleitos lusos
2015-02-20
O deputado socialista Paulo Pisco acusou o Governo de "favorecimento partidário" na organização de um encontro de eleitos lusos, em Janeiro, em Lisboa. A "esmagadora maioria" dos participantes, vindos de França, Luxemburgo, EUA e África do Sul, era de partidos de direita, acusa o deputado.

Em causa está o III Fórum Mundial dos Luso-eleitos, que decorreu em Lisboa entre 29 e 31 de Janeiro, e que contou com a participação de um total de 20 representantes, oriundos de França, Luxemburgo, Estados Unidos da América e África do Sul.

Segundo o deputado do PS, 13 dos 20 participantes são "de direita (11 de França e dois do Luxemburgo), entre os quais vários militantes do PSD". A representar o Luxemburgo estiveram Isabel Wiseler, conselheira comunal na cidade do Luxemburgo e presidente dos cristãos-sociais (CSV) na capital, e Custódio Portásio, presidente da secção do Luxemburgo do PSD.

Numa pergunta entregue na quinta-feira na Assembleia da República e dirigida ao secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, Paulo Pisco exemplifica que França é "um país decisivo em termos de eleições legislativas para a Assembleia da República" e que esta composição reflecte "inevitavelmente um favorecimento partidário com fins eleitorais".

"Estamos perante uma situação intolerável de violação dos equilíbrios democráticos e favorecimento partidário com utilização dos recursos do Estado", critica o socialista, eleito pelo círculo da Europa.

Para o deputado, esta iniciativa é "relevante no âmbito das políticas para as políticas portuguesas".

Tratando-se de "eleitos portugueses ou descendentes de portugueses, exige-se que a organização de uma iniciativa desta natureza preserve a sua imparcialidade e equilíbrio democrático e que abranja mais países", considera, lamentando que tal não tenha acontecido neste caso.

Pisco questiona o secretário de Estado que tutela os emigrantes portugueses sobre os critérios que presidiram à selecção dos participantes no encontro, e se "assume a natureza claramente partidária" do fórum, perguntando ainda como foi organizado e quanto custou.

"Não considera o Governo que um encontro com este grau de ostensivo favorecimento partidário põe em causa a importância e bondade da iniciativa?", pergunta também o deputado socialista.

 

Ver Luxemburger Wort, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios