FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2014
Os cinco mitos sobre a emigração portuguesa
2014-03-13
Portugal exporta sobretudo “cérebros”, que emigram porque não têm emprego e vão para Angola ou para o Brasil. Verdades? Verdades feitas, respondem os especialistas.

Com a actual crise económica Portugal não está só a perder empresas, empregos e recursos financeiros que seguem para o exterior ao ritmo de cada vencimento dos cupões da dívida pública. O país está também a perder pessoas. Desde 2008, terão desistido de Portugal cerca de 400 mil portugueses, estima o Observatório da Emigração, que promove, em conjunto com o ISCTE, uma conferência internacional sobre Emigração Portuguesa Contemporânea, entre ontem e hoje em Lisboa. Portugal é mesmo o segundo país da União Europeia com maior percentagem de emigrantes, diz o coordenador do Observatório, Rui Pena Pires.


Na mais recente vaga de emigração, muitos dos que saem são qualificados - mas não é a maioria. A dimensão do número de saídas também faz parecer que este é um caminho fácil - mas não é. E apesar do desemprego empurrar muitos para o estrangeiro, há quem decida sair, mesmo tendo trabalho em território nacional. Num momento em que as fileiras da emigração voltaram a engordar, o Diário Económico desfaz os principais mitos no debate público sobre a realidade de quem tenta a vida lá fora.

É fácil emigrar
"Há uma ideia de facilitismo sobre a emigração", diz Cláudia Pereira, investigadora do ISCTE e do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia. "Pensa-se que toda a gente está a sair porque é uma opção fácil, mas não é", garante. Desde logo, é preciso ter uma base de recursos - ou financeiros, ou de conhecimento. "Os mais pobres de todos não emigram", concorda José Carlos Marques, investigador do Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa. "É preciso ter onde viver, onde comer" nos primeiros dias. Os mais pobres só conseguem se tiverem uma rede familiar ou de amizade que os ajudem, acrescenta. A ideia de que esta é uma solução fácil é promovida pelos números: afinal, o Instituto Nacional de Estatística estima que em 2012 tenham emigrado cerca de 125 mil pessoas. O coordenador do Observatório da Emigração fala noutros cem mil no ano passado. Mas haver muita gente a sair não quer dizer que seja fácil - quer apenas dizer que Portugal "não atrai ninguém para ficar", diz Cláudia Pereira.

A maioria dos emigrantes é altamente qualificada
O aumento do nível de qualificações dos emigrantes desta última vaga tem sido muito sublinhado - porque perder recursos é mau, mas perder pessoas em quem já foi feito um grande investimento de formação num país com défice de qualificações é ainda pior. Mas, apesar de ser verdade que as qualificações são agora mais elevadas, a maioria dos emigrantes continua a ter baixos níveis de escolaridade. Cláudia Pereira adianta que dos portugueses que emigraram entre 2010 e 2011, 14% eram qualificados. Os fluxos de saída "são ainda protagonizados por pessoas com níveis de escolarização médios ou abaixo da média e direccionados para sectores relativamente pouco exigentes em qualificação", revela João Queirós, investigador do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto. O especialista refere-se à construção civil e obras públicas, hotelaria e comércio, aos serviços pessoais e domésticos. Além disso, há ainda um fenómeno de "trajectórias de desqualificação profissional", soma ainda João Queirós. Ou seja, portugueses que acabam a trabalhar em empregos para os quais são sobrequalificados e com exigência de escolaridade abaixo dos requisitos dos seus trabalhos em Portugal, antes de terem ficado desempregados.

só emigra quem não tem emprego
Com a taxa de desemprego a atingir um máximo histórico (17,5%) no primeiro trimestre do ano passado, muitos dos portugueses que saíram do país terão sido incentivados pela falta de trabalho em Portugal. "É o mercado laboral que faz mover as pessoas", diz Cláudia Pereira. Mas pensar que eram todos desempregados é uma ideia errada. Não terá sido a maioria, mas muitos decidiram sair mesmo tendo um posto de trabalho. "Várias das pessoas que entrevistei, no âmbito da minha investigação sobre a emigração para o Reino Unido, tinham cá emprego, mas queriam experimentar outras formas de trabalhar", acrescenta Cláudia Pereira. Estas pessoas falam em meritocracia, expectativas de evolução na carreira, em salários mais competitivos, no estatuto e em reconhecimento do seu valor, conta a investigadora. Ou seja, não basta Portugal criar empregos para fixar os talentos.

Os emigrantes são todos iguais
Nem todos os emigrantes saíram do Norte de Portugal para trabalhar nos restaurantes em França. A ideia de que há um tipo único de emigrante é falsa. As histórias são variadas: há os emigrantes com baixas qualificações e sem emprego, mas também há qualificados que estavam a trabalhar em Portugal e decidem sair para procurar novas oportunidades ou para estudar. Há pessoas que "integram os movimentos migratórios nos seus projectos de vida", conta José Carlos Marques, enquanto outras emigram de forma mais definitiva e "desistem" de voltar. Há emigrantes que o são pela segunda vez, desiludidos com o país. Há ainda os empreendedores - pessoas que criam o seu emprego lá fora.

 

Brasil e angola lideram destinos de emigração
Brasil e Angola são dois destinos importantes de emigração portuguesa, mas não deverão ser os mais significativos. O principal destino de exportação em 2013 terá sido o Reino Unido, diz Cláudia Pereira. Ainda não há números actualizados para todos os destinos, mas o valor referente ao território inglês é suficientemente alto para se retirar esta conclusão: chegaram 30.125 portugueses só no ano passado. Segundo os dados reunidos pelo Observatório da Emigração, nos últimos cinco anos foram para Angola e Moçambique entre 10% a 12% dos emigrantes portugueses. "As saídas de portugueses para o Brasil representarão cerca de 1% da população emigrante", adianta ainda Cláudia Pereira. E para a Europa "irão entre 80 a 85% dos emigrantes", diz a investigadora.

 

Económico, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios