FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2013
Responsável do MNE defende que "emigração pode ser vista como algo positivo e enriquecedor”
2013-10-29
Director-geral dos Assuntos Consulares defende acompanhamento dos emigrantes para que não percam ligação ao país.

Catarina Gome

João Maria Cabral, director-geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, avisou que ia ser "provocatório". Na senda do que já tinha dito o primeiro-ministro, Passos Coelho, afirmou: "não pretendo fazer o branqueamento do fenómeno social, mas a emigração pode ser vista como algo positivo e enriquecedor", disse esta terça-feira no seminário Novas dinâmicas migratórias internacionais: Portugal no contexto dos países da OCDE, em Lisboa.

O responsável referia-se à saída de jovens qualificados que não encontram emprego em Portugal. Tentava assim contrariar o discurso que se refere ao fenómeno "como a sangria da juventude na qual o país tanto investiu", dizendo que a saída "pode ser uma mais-valia. O país não tem que prescindir desses profissionais. A sociedade tem a ganhar com os conhecimentos e experiência e redes que se estabelecem", disse no seminário organizado pela Fundação Luso-Americana.

"A emigração pode oferecer mais do que as remessas dos emigrantes", acrescentando que "há que eliminar o estigma do fenómeno migratório e retirar dele riqueza". João Maria Cabral admite que este tipo de considerações "não se aplica a todo o tipo de emigração" , que em muitos casos "pode ser negativa e por vezes trágica".

Neste contexto, cabe às autoridades continuar "a assegurar a ligação com o país de origem, garantir que o sentimento de pertença se mantém", fazendo "um acompanhamento do emigrante". João Maria Cabral diz que o Governo atribui importância à diáspora tendo um elemento vocacionado para esta questão e o facto de quatro deputados serem escolhidos pelos portugueses a viver no estrangeiro.

Em Janeiro, Pedro Passos Coelho, disse que a emigração não deve ser como um "estigma" para quem precisa de um emprego e não consegue encontrá-lo em Portugal.

O responsável referiu ainda dados sobre o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) sobre Perspectivas das Migrações Internacionais 2013, que dá conta de que Portugal é um dos países daquela organziação com maior taxa de emigração, está em 14.º lugar naquele universo que inclui 40 países.

Questionado pelo PÚBLICO, Jean-Christophe Dumont, director da Divisão de Migração Internacional da OCDE, admitiu que, nos tempos de crise que se vivem, a emigração poder ser vista como uma alternativa. "Em vez de se ficar dez anos à espera de um emprego sem usar capacidades adquiridas durante a formação pode ter que se emigrar". "Quando as oportunidades económicas voltarem, estas pessoas podem pensar em Portugal como uma oportunidade, desde que sejam mantidos os elos. Se bem gerida, a emigração pode ser uma oportunidade", sublinha.

Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios
ceg Logo IS logo_SOCIUS Logo_MNE Logo_Comunidades