FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2013
Nos últimos dez anos, foram certificados mais de 2200 arquitectos portugueses para trabalhar no estrangeiro
2013-10-15
Números são "indicadores de um fenómeno” de emigração no sector, diz fonte da Ordem dos Arquitectos

A Ordem dos Arquitectos certificou 2221 arquitectos portugueses para trabalharem no estrangeiro, na última década, pedidos que aumentaram muito nos últimos três anos, com destino, sobretudo, para o Reino Unido, Brasil e Angola.

Os dados foram publicados no site da Ordem dos Arquitectos (OA), entidade que passa os certificados aos profissionais que querem sair do país para se inscreverem em ordens congéneres no estrangeiro. Estes certificados, segundo a OA, são documentos essenciais para assinar projectos noutros países.

Contactada pela agência Lusa, fonte do gabinete de comunicação da OA ressalvou que "os dados não correspondem ao número de arquitectos que, de facto, trabalham no estrangeiro, e cujo número global a Ordem não tem forma de contabilizar".

Segundo Margarida Portugal, do gabinete de comunicação da OA, "os números dos certificados são apenas indicadores de um fenómeno" de emigração no sector, que esta entidade sabe ser "mais lato do que esses números permitem perceber".

"Há um número indeterminado de arquitectos portugueses que se ausenta do país e não pede à OA o certificado", acrescentou Margarida Portugal. "Esse certificado é essencial para quem pretende assinar projectos. Há portanto arquitectos que estão a trabalhar fora de Portugal mas não assinam projectos. Não há forma de saber quantos são."

Em Julho deste ano, no seu 13.º congresso, a OA debateu os problemas que os profissionais do sector têm enfrentado no país, onde o mercado de trabalho está em queda.  Esta terça-feira foi também lançada a campanha Trabalhar com Arquitectos, uma iniciativa que visa sensibilizar a opinião pública para a profissão e a sua importância nas cidades.

No quadro publicado na página da Internet sobre os certificados passados, está contabilizado o número de arquitectos que pediu certificados à Ordem entre 2003 e Setembro de 2013 e, para cada ano, os três principais países de destino. Em 2003, a OA passou 65 certificados a arquitectos que pretendiam trabalhar fora de Portugal, número que passou para 415 em 2013 (passados até Setembro).

Apesar da enorme variação, o universo destes profissionais também aumentou muito nos últimos anos da última década, e actualmente situa-se nos 16.804 arquitectos a nível nacional, ainda segundo os últimos dados da OA.

Entre 2006 e 2008, verificou-se um grande aumento de pedidos de certificados - para 240 -, baixou depois para 160 e 173, em 2009 e 2010, mas viria novamente a subir em 2011, para 297, e em 2012, para 460 pedidos.

Quanto aos países de destino preferidos, entre 2003 e 2006, a Espanha aparecia em primeiro lugar, seguida do Reino Unido, de Angola e Cabo Verde; em 2007 e 2008, foi o Reino Unido a liderar, e, em 2009, Angola.

Em 2010, o Reino Unido voltou ao primeiro lugar, foi ultrapassado em 2011 pelo Brasil, mas voltou a dominar em 2012 e em 2013, seguido pelo Brasil, Espanha e Angola, que, nestes dois anos, alternaram posições entre si.

Lusa, Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios