FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2013
Oferta do ensino de português poderá diminuir em França
2013-09-18
O alerta é do deputado social-democrata Carlos Gonçalves. A oferta do ensino de língua portuguesa em França tem tendência a diminuir, uma vez que as autoridades francesas, neste momento, privilegiam o inglês em relação a outras línguas estrangeiras.

"Já tinha tido a oportunidade de ter consciência disso nos contactos que fiz, na passada semana, com algumas escolas - as autoridades francesas, na área da educação, neste momento, privilegiam claramente o inglês em relação a outras línguas", constatou em declarações à agência Lusa.
O deputado do PSD eleito pelo Círculo da Europa reuniu-se este mês em Paris, com a coordenadora do ensino de língua portuguesa em França, Maria Adelaide Cristóvão, com o objetivo de avaliar as condições de abertura do ano letivo.
Carlos Alberto Gonçalves confirmou "uma ligeira descida do número de inscrições" que, afirma, deve dever-se ao facto de ser "necessária uma pré-inscrição na plataforma do (instituto) Camões para os cursos". "Houve um teste feito no ano letivo anterior", afirmou o deputado, que considerou que esta é uma fase de "consolidação que pode ser muito importante para o ensino de português no estrangeiro".
Com o novo processo os encarregados de educação têm acesso à plataforma do instituto Camões, o que lhes permite aceder aos programas dos alunos e dos professores, assim como aos sumários das aulas. "Vai haver um acompanhamento muito próximo dos pais em relação aos seus filhos no que diz respeito à língua portuguesa", acrescentou.
Carlos Gonçalves disse acreditar ainda que esta proximidade "e este estreitamento da ligação entre os encarregados de educação, os professores, a escola e os alunos vai ser uma interação que poderá beneficiar de forma clara o interesse pela língua portuguesa".
Em relação às críticas do Sindicato dos Professores das Comunidades Lusíadas (SPCL),no início de agosto sobre os atrasos na definição da rede de ensino de português no estrangeiro para o presente ano letivo, o deputado admitiu que "a questão das aberturas dos anos letivos diferenciadas de país para país cria sempre alguns problemas".
Em nota, o SPCL disse no início de agosto que numa altura em que o ano letivo já tinha começado em alguns estados da Alemanha e estava prestes a começar na maioria dos cantões da Suíça (a 11 de agosto,) a rede de cursos ainda não tinha sido publicada em Diário da República.
Carlos Gonçalves realçou que "no passado esse tipo de comunicados não podia existir porque não havia sequer programas".
"Vi coisas perfeitamente inacreditáveis há uns anos atrás em relação ao ensino de português no estrangeiro, quando os professores estavam entregues a si próprios. Nós não nos podemos esquecer disto", realçou o deputado, que disse considerar, no entanto, "fundamental" que o sindicato levante este tipo de questões.
Depois da reunião com a coordenadora do ensino de língua portuguesa em França, o deputado considerou que "estão criadas condições para que este segundo ano de consolidação do novo processo do ensino do português no estrangeiro possa correr da melhor forma, para que no futuro seja possível ainda, não só eventualmente alargar a rede, mas também criar ainda melhores condições para um ensino de qualidade".

Mundo Português, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios