FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2013
Migrações: Igreja promove olhar «positivo»
2013-08-14
Responsáveis destacam importância dos migrantes para a construção da sociedade e das comunidades católicas

Lisboa, 14 ago 2013 (Ecclesia) - A Igreja Católica dedica esta semana às migrações, aos portugueses que procuram outros destinos com mais oportunidades e aos imigrantes que se encontram em Portugal, promovendo um olhar "positivo" e de esperança sobre esta realidade.

"Queremos refletir para o lado positivo das migrações, olharmos para o migrante como alguém que tem esperança e que parte com a esperança de uma vida melhor", revela Eugénia Quaresma, da Obra Católica Portuguesa das Migrações (OCPM), em declarações ao Programa ECCLESIA (RTP2).

Até ao próximo domingo, a Igreja promove a 41ª Semana Nacional de Migrações com o lema ‘Migrações, Peregrinação de Fé e de Esperança' e propõe que todos se sensibilizem para esta temática.

Durante este período existem várias iniciativas nas dioceses e paróquias de Portugal que têm o objetivo de apresentar o migrante como alguém que é portador e transmissor de fé.

"Não queremos que olhem para o migrante como alguém que passa necessidades sociais de habitação, alimentação, vestuário mas como um agente de evangelização", explicou Eugénia Quaresma.

Entrevista com Eugénia Quaresma e Pe.Delmar Barreiros

 Para o padre Delmar Barreiros, diretor do Serviço de Mobilidade Humana do Patriarcado de Lisboa, a ligação dos emigrantes portugueses a Fátima "está sempre presente" mesmo antes de "partirem" e quando regressam "veem de propósito ao Santuário".

Uma religiosidade popular que o Papa Francisco assinalou como sendo um tesouro da Igreja e que os cristãos portugueses assimilaram e absorveram "nas raízes", na família e nas comunidades paroquiais.

O sacerdote assinala que nos diversos países que visitou esta crença, "talvez a maior riqueza que eles (emigrantes) tinham", animou, dinamizou e aumentou a vivência real da fé.

"É uma semente que levaram e não abafou, antes pelo contrário está a dar fruto lá e cá", acrescentou.

Esta fé não "é uma questão de falta de raciocínio ou irracional", explica o padre Delmar, porque nos momentos de angústia todos procuram soluções e os emigrantes têm a presença de Deus na sua vida que "nunca lhes faltou".

O atual momento de crise financeira, segundo Eugénia Quaresma, é o motivo pelo qual as pessoas são "impelidas a sair", para procurarem emprego, algo que não é restrito a Portugal mas "está espalhado por toda a Europa".

A falta de oportunidades obriga a Obra Católica Portuguesa das Migrações a ser criativa e "a procurar no empreendedorismo uma resposta positiva e outras respostas, como recuperar caminhos deixados para trás".

O padre Delmar Barreiros, por sua vez, destaca que este momento é diferente do vivido nos anos 60 do século passado, porque "os portugueses partem com melhores qualificações" e nem sempre vão "ao acaso".

A OCPM tem recebido mais pedidos de ajuda de pessoas que não conseguem vistos de residência e por isso mesmo que encontrem trabalho não o podem aceitar: "O mecanismo está de tal forma que dificulta o empregador e a pessoa que procura emprego", assinala Eugénia Quaresma.

Segundo o padre Delmar Barreiros, esta situação afeta tanto os portugueses como os imigrantes e não pode haver diferenciação porque a "quem tiver documentação não pode ser negado emprego".

Hoje, segundo os dados que dispõe, depois de grandes vagas de imigração e algumas diminuições são cerca de 500 mil os imigrantes em Portugal - na área do Patriarcado está "praticamente" metade desse número - e "os ilegais não são tantos, porque já não arriscam".

PR/CB/OC

Agência Ecclesia, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios
ceg Logo IS logo_SOCIUS Logo_MNE Logo_Comunidades