FR
INQUÉRITO

Expectativas

de regresso de portugueses no estrangeiro
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Bélgica: Inês Mendes e Pedro Rupio eleitos nas Comunais belgas
2012-11-02
Inês Mendes e Pedro Rupio são os autarcas de origem portuguesa eleitos a 7 de outubro nas eleições Comunais, na Bélgica. Aos 29 anos, Pedro Rupio foi o primeiro português de sempre eleito em Bruxelas. Inês Mendes, 38 anos, também do partido Socialista, foi eleita em Enghien, mas tem já 18 anos de percurso político. Até 2018, são as vozes de ascendência portuguesa na política autárquica belga…

O pai é português, com família oriunda da Figueira da Foz, a mãe é belga e foi com uma familiar que sempre considera como avó que aprendeu a falar português, durante as férias que passava na Figueira da Foz. Inês Mendes aprendeu "com gosto" a língua e a cultura da família paterna e adquiriu a nacionalidade portuguesa. Ao MUNDO PORTUGUÊS assumiu que é mais belga que portuguesas, mas sublinhou que tem orgulho nas duas culturas, que a ajudaram "a ter um espírito mais aberto, concretamente no contexto das comunidades estrangeiras na Bélgica".
Aos 38 anos, a luso-belga é agora conselheira na Câmara de Enghien, uma cidade de 13 mil habitantes e onde reside há três anos. Foi candidata numa lista de 23 pessoas e ficou em terceiro lugar. Mas esta não é a sua «estreia» na política: foi eleita pela primeira vez com 26 anos e exerceu um mandado de conselheira comunal em La Louvière na legislatura de 2001-2006. Atualmente, é ainda secretária política e vice-presidente da UCS (União Socialista Comunal, em português) de Enghien. "Gosto muito de trabalhar com as pessoas, a nível comunal (autárquico), porque há maior proximidade com os eleitores. Todo o meu discurso é e proximidade com as pessoas", garante Inês, que será conselheira comunal até 2018 e ainda não sabe a quais pelouros estará ligada, uma informação que só terá depois de o novo executivo comunal iniciar funções. Mas aponta a mobilidade urbana numa cidade com muito tráfego automóvel e o desenvolvimento do comércio e de atividades culturais para a população mais jovem, como questões importantes para o novo executivo autárquico.
Licenciada em Ciências Políticas, Inês Mendes está ligada à política desde os 20 anos, quando começou a militar no partido Socialista belga. Revela que o gosto pela política é inato, "não foi influência de ninguém" e surgiu na sequencia da sua formação universitária, porque queria "estar na política do ponto de vista terreno e não apenas teórico".
Já Pedro Rupio foi o primeiro cidadão português eleito na região de Bruxelas. Atual conselheiro da Comunidade Portuguesa e presidente da associação «Força Luso-descendente», chega à Câmara de Saint Gilles como o 10º candidato mais votado na lista do Burgomestre Charles Picqué e o 13º sobre mais de 150 candidatos naquela cidade. O agora conselheiro municipal destacou o voto da comunidade lusa local nas eleições de 7 de outubro, revelando ter havido "um aumento bastante importante de inscritos na comuna", e para a qual teve peso a campanha que realizou nos últimos meses a apelar à participação política dos portugueses. "Esta participação trará mais visibilidade à comunidade", afirmou ao MUNDO PORTUGUÊS, acrescentando que o número de inscritos lusos passou e 140 para 421.
Sobre as questões prioritárias com que se debaterá o novo executivo camarário, destaca a alta taxa de desemprego, "principalmente entre os jovens com menos de 25 anos". "Um dos grandes desafios será incentivar os jovens a continuarem os estudos e assim reduzir-se o abandono escolar", sublinha, referindo ainda haver na cidade, onde residem cerca de 50 mil pessoas, problemas a nível da segurança. "Continua a ser uma das (cidades) mais pobres da Bélgica e também uma das maiores", acrescenta.
Com a tomada de posse agendada para Dezembro, Pedro Rupio não sabe ainda sobre que dossiers irá trabalhar, mas destaca a maioria absoluta conquista pela lista a que concorreu e que ditou a manutenção de Charles Picqué como Burgomestre (presidente da Câmara) da cidade. Ainda assim, revela que gostaria de estar ligado às áreas da coesão social, juventude, desporto, ensino público e movimento associativo, destacando a experiencia que já acumulou nesta última. Para já comemora o "excelente resultado" que obteve nestas Comunais belgas e que transformou no mais jovem autarca daquele país.
Ana Grácio Pinto
apinto@mundoportugues.org

Mundo Português, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios