FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Investigação prossegue no Consulado português no Rio de Janeiro, sem funcionários suspensos
2012-08-29
O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas disse hoje que “as investigações estão a decorrer” no caso do Consulado-Geral de Portugal no Rio de Janeiro e que não há qualquer funcionário suspenso.

"Há investigações a decorrer. Não podemos dar informações sobre uma investigação que está em curso, com intervenção da Polícia Judiciária (PJ). Não há nenhum funcionário suspenso", afirmou José Cesário à agência Lusa, no final do encontro das estruturas de coordenação do Ensino do Português no Estrangeiro, que decorreu na sede do Camões--Instituto da Cooperação e da Língua, em Lisboa. 

O Consulado-Geral de Portugal no Rio de Janeiro foi alvo em Maio deste ano de uma inspecção diplomática acompanhada por inspectores da PJ portuguesa, desconhecendo-se ainda publicamente as suspeitas em causa. 

Questionado sobre se os funcionários suspeitos são portugueses ou brasileiros, o governante disse não poder responder. 

"Não posso dar essa informação. Não posso dizer que funcionários são suspeitos. A PJ é que dirá", referiu o secretário de Estado. 

A situação chegou ao conhecimento do deputado socialista pela emigração Paulo Pisco na sequência de uma visita que efectuou ao Consulado-Geral de Portugal no Rio de Janeiro em 17 de Junho, o que o levou a dirigir, poucos dias depois, um requerimento ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, a solicitar informações sobre o caso. 

Segundo o requerimento, "o Consulado-Geral do Rio de Janeiro desde há bastante tempo que era objecto de queixas da comunidade portuguesa devido a problemas e dificuldades relacionados com o atendimento consular, suscitando até no passado recente algumas inspecções diplomáticas". 

"Entre as queixas e críticas mais frequentes feitas pela comunidade portuguesa estavam os problemas e dificuldades no atendimento, a demora para a obtenção de documentos e o favorecimento de algumas pessoas exteriores ao consulado para a resolução de alguns problemas", acrescenta o documento. 

Paulo Pisco refere também que, na sequência da visita que efectuou ao Consulado-Geral, soube que "uma nova inspecção diplomática, acompanhada de agentes da PJ, esteve no consulado no passado mês de Maio, muito pouco tempo depois de o novo cônsul-geral assumir funções". 

"A presença de uma nova inspecção diplomática acompanhada de agentes da PJ suscita a maior apreensão" e "evidencia certamente suspeitas graves de irregularidades ou situações anómalas", lê-se no requerimento. 

No Consulado-Geral de Portugal no Rio de Janeiro trabalham 32 funcionários, segundo o deputado. 

Por Lusa  


Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios