FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
EUA trava deportações de imigrantes jovens
2012-06-15
Medida deverá afetar cerca de 800 mil pessoas

Os EUA vão deixar de deportar imigrantes ilegais que tenham chegado ao país ainda em crianças. Prevê-se que esta alteração de política deverá afetar cerca de 800 mil pessoas.

A medida, que também poderá beneficiar elementos da comunidade portuguesa no país, é dirigida de forma especial ao eleitorado latino-americano, numa altura em que estão à porta as eleições presidenciais.

Os visados terão de estar em território norte-americano há pelo menos cinco anos e ter entre 16 e 30 anos. Ao entrarem no país teriam de ter até 16 anos, estarem na escola, terem concluído o ensino secundário ou terem sido militares, são outras das condições, tal como um cadastro limpo.

Aos beneficiários destas alterações será dada a oportunidade de adquirirem visto de trabalho. Mas a secretária do departamento de segurança interna da administração Obama, Janete Napolitano, salientou que a medida não se trata de uma garantia de cidadania ou de legalização permanente. Os vistos de trabalho serão de dois anos, renováveis pelo mesmo período de tempo, de forma ilimitada.

As deportações de imigrantes são um tema controverso nos EUA, de forma especial quando visam pessoas que não falam a língua nem conhecem os países de origem.

De acordo com o Relatório Anual de Segurança Interna de 2011 português, entre 1997 e 2011 foram deportados 1245 portugueses, maior parte deles originários dos Açores.

tvi 24, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios