FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Há mais emigrantes mas enviam menos dinheiro do que dantes
2012-06-08
Remessas aumentaram menos do que a emigração estimada Suíça e Angola têm reforçado o envio de dinheiro, compensando a quebra de Espanha e Alemanha.

Nos últimos anos, estima-se que estejam a sair do país entre 80 e 100 mil pessoas, por ano. A nova vaga de emigração, contudo, não se traduz no aumento do dinheiro que enviam de lá para Portugal.


Os emigrantes continuam a mandar poupanças para Portugal, mas essas remessas têm crescido pouco, mais devagar do que o ritmo de saída de portugueses em busca de trabalho ou de uma vida melhor noutro país. Entre 2010 e o ano passado, diz o Banco de Portugal, as remessas aumentaram apenas 4,6 milhões de euros, para somar 2,430 mil milhões de euros. Ou seja, continuam a subir, mas devagar.


Por contraste, nos últimos três a quatro anos, Portugal voltou a conhecer uma vaga de emigração. Jorge Malheiros, do Centro Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, estima que a cada ano deixem o país entre 80 e 100 mil pessoas, incluindo portugueses e emigrantes que reemigram ou regressam ao país de origem. É uma estimativa, já que ter números certos sobre a emigração é tarefa impossível, sobretudo em países da União Europeia, onde as fronteiras foram abolidas, ressalva Filipa Pinho, do Observatório da Emigração.


Mas "é certo" que a emigração cresce, diz Jorge Malheiros, que admite várias explicações para a diferença entre a subida maior da emigração e a menor das remessas. Primeiro, o emigrante de hoje é muito diferente do do passado. "É mais jovem e qualificado e não tem o objetivo claro de manter uma família em Portugal e, um dia, voltar". Além disso, as dúvidas sobre a estabilidade da Banca nacional levarão alguns pessoas a preferir fazer aforro no estrangeiro, apesar de a crise também atingir destinos fortes de emigração, como Espanha. Por último, lembra, países como Angola dificultam a saída de dinheiro. 

PORMENORES


Angola aumenta remessas
Em 2009. estava no 6o lugar da lista das principais origens das remessas. Em 2011, subiu ao 3. lugar.

Suíça dispara

As imagens de portugueses a passar fome na Suíça podem levar a crer que a comunidade portuguesa passa graves dificuldades. Mas no último ano disparou a quantia enviada de lá para Portugal.

Alemanha e Espanha caem
0 fim da bolha imobiliária e o início da crise espanhola fizeram regressar largos milhares de portugueses. Os números mostram-no: no espaço de dois anos, deixaram de entrar em Portugal 22,6 milhões de euros. A Alemanha deixou de enviar sete milhões.

Estrangeiros em Portugal
Ao contrário, os imigrantes estão mais ativos. Se as remessas dos portugueses lá fora subiram 4,6 milhões, as dos imigrantes cá dispararam 18,2 milhões, somando 586 milhões de euros. Quase metade é remetida por brasileiros.

Portugal Global, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios