FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Emigrantes mudam face de aldeia da Suíça
2012-04-15

A crise financeira da zona do euro deixou cerca de 17 milhões de pessoas sem trabalho, muitos dos quais estão agora a olhar mais longe para lugares como a Suíça. Isso está mudando a cara de algumas comunidades muito tradicionais suíços.

À primeira vista, a pequena aldeia de Taesch é uma comunidade alpina típica, com casas antigas de madeira, uma igreja, uma loja e uma padaria.

Mas hoje em dia a língua mais comum nas ruas Taesch não é o original alemão, mas Português, e uma loja local, está fazendo um comércio vivo nas especialidades portuguesas, como bacalhau e vinho tinto.

Embora os eleitores suíços disseram não à adesão plena à UE mais de 20 anos atrás, a Suíça assinou a diversas políticas da UE, incluindo as que regem a livre circulação de pessoas e de trabalho.

Continue lendo a história principal
"Quando você subir e descer as ruas, as lojas, em todos os lugares, você pode falar Português " diz Yolande Carvalho emigrante portuguesa.

Agora, a taxa de desemprego na Suíça baixo, apenas 2,8%, os seus salários relativamente elevados e sua economia saudável estão atraindo milhares de pessoas de toda a Europa.

Mais de 140.000 imigrantes chegaram na Suíça no ano passado, um aumento de 6% em 2010.

A maioria deles veio de estados membros da UE, em particular Os mais afetados pela crise na zona do euro, incluindo Portugal.

Yolande Carvalho chegou pela primeira vez em Taesch mais de 15 anos atrás, e lembra-se de quando havia apenas um punhado de não-suíça na aldeia.

Agora, as coisas são muito diferentes.

"Nós, o Português, somos metade da população", explica ela. "Quando você subir e descer as ruas, nas lojas, em todos os lugares pode falar Português."

No ano passado, ela tem visto cada vez mais de seus concidadãos fazem o movimento norte.

"Não existem opções [para jovens]", diz ela.

"Se é uma escolha entre trabalhar por 700 euros por mês (R $ 590; $ 920) em Portugal e mal conseguindo pagar o aluguel ou comprar comida, então é melhor você vir para a Suíça."

Máquinas de lavar louça e bedmakers

População Taesch de agora está em 1270, mais de 700 dos quais são estrangeiros, a maioria deles Português.

Marcel deixou Portugal quando ele não podia encontrar trabalho
Mas por que tantas pessoas de Portugal escolher um pequenino vilarejo isolado no fundo da Alpes suíços? A resposta encontra-se apenas um par de quilómetros mais acima do vale, no resort em expansão de Zermatt.

Aqui há mais empregos do que os locais são capazes de fazer: nos hotéis, restaurantes, e na construção civil.

O que é mais, limpar quartos de hotéis ou limpar mesas de bar não é o trabalho mais suíço quer fazer mais nada. Em todo o país, a indústria do turismo depende de trabalho imigrante.

Vinte anos de idade, Marcel deixou a escola em Portugal este ano e tinha a esperança de encontrar trabalho lá.

"Olhei em volta mas não havia nada para mim em Portugal", diz ele. "Eu tive essa chance, e eu peguei."

Oportunidade de Marcel está lavando pratos em um restaurante Zermatt com outros dois jovens de Portugal.

"Os imigrantes estão nos ajudando a fazer pela vida. Precisamos deles " garante Claudius Imboden, Prefeito de Taesch.

"Sinto falta da minha família um lote", diz ele, "meus amigos, minha casa, minha cidade, tudo. É difícil, mas posso fazê-lo, eu sou forte."

Enquanto os recém-chegados podem estar sentindo saudades de casa, os locais são um pouco apreensivo sobre o elevado número de imigrantes.

Na escola de Taesch a língua mais comum é o Português e, no jardim de infância, o alemão é falado por agora apenas uma pequena minoria.

"Há 13 crianças," local de integração oficial Patricia diz Zuber de uma classe ", e apenas três deles falam alemão".

Trabalho Sra Zuber, o recém-criado no Taesch, envolve a criação de cursos de línguas subsidiadas para os imigrantes, oferecendo aconselhamento sobre as leis suíças e da vida local para recém-chegados, e organizar encontros, onde ambas as comunidades podem se encontrar.

"É importante que as pessoas aqui conhecer uns aos outros como pessoas", ela explica, "e não como um homem de Portugal, ou como um líder da Suíça".

"Mas", ela admite, "é sobre coisas difíceis. É sobre a cultura".

O choque de culturas
Yolande Carvalho, que, como chefe do centro comunitário local Português trabalha em estreita colaboração com a Sra. Zuber, concorda que o que pode parecer pequenas diferenças culturais podem ser grandes obstáculos no caminho da harmonia aldeia.

Viver lado a lado pode causar atrito
"Aqui, existem regras em todos os lugares", diz ela com um sorriso. "E, você sabe, o Português pode ser muito alto. Esse é o jeito que somos."

"Os moradores vão para a cama às 21:00, até 20:30, e eles realmente não aprecio isso se estamos fazendo um barulho até às 22:00 h. Então, isso é algo que temos de adaptar-se."

Aldeia eleito oficial Claudius Imboden concorda que o Taesch novo é um ajuste difícil para muitas pessoas locais, mas acredita que a aceitação e integração são as únicas opções realistas.

"Isso costumava ser uma vila de agricultores", diz ele. "Mas agora nós fazemos a nossa vida com o turismo ea indústria da construção civil, e os imigrantes estão nos ajudando a fazer que a vida. Precisamos deles."

Ele admite que algumas pessoas da aldeia estão descontentes com as mudanças, mas argumenta que eles têm de viver em algum lugar.

Além disso, ele aponta, a onda do século 21 da imigração para Taesch tem causas que a população local deve ser capaz de se relacionar.

"Cem anos atrás, esta aldeia era muito pobre", explica ele. "As pessoas tiveram que sair para encontrar a vida, pessoas de Taesch iam por toda parte, mesmo a América do Sul. A mesma coisa está acontecendo agora, mas em sentido inverso.".

Referendo para a mudança?
Em nível nacional, o clima não é tão positivo. Pesquisas de opinião mostram muitos suíços gostariam de optar por sair do acordo Schengen sobre a livre circulação de pessoas e re-introdução de quotas de imigração.

Continue lendo a história principal
Migração para a Suíça

2011: 142.471
2010: 134.171
2009: 132.444

Office Source Federal de Migração, Suíça

Q & A: Acordo de Schengen
O Partido Popular de direita da Suíça (SVP) coletou assinaturas suficientes para realizar um referendo sobre opting out, e SVP MP Luzi Stamm confiantemente espera apoio dos eleitores.

"Todos subestimaram a imigração na Suíça", diz ele.

"É muito, muito maior do que o pensamento de ninguém. Eu acho que temos que parar de livre circulação no sentido de que não é controlável mais, temos que estabelecer limites e temos que controlá-lo."

Para comunidades como Taesch, porém, será difícil voltar o relógio, eo Sr. Imboden acredita até mesmo os moradores locais suíços podem não querer.

"Sem os imigrantes, nós provavelmente não teríamos uma escola mais aqui, porque não temos filhos suficientes."

Ms Carvalho diz que a relação entre moradores e incomers está melhorando o tempo todo.

"Eu vejo isso nas ruas", explica ela. "As pessoas mais velhas, quando ouvem as crianças portuguesas gritando ou rindo, eles dizem ‘oh, que é o Português".

"Mas agora eles estão sorrindo quando dizem isso, porque são crianças, e elas são alegres."

Lusitanos do Mundo, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios