FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Brasil: Nem tudo é fácil para os imigrantes portugueses
2012-05-19

Portugueses no Brasil alertam os novos imigrantes que podem encontrar vários problemas na busca de oportunidades no país, sobretudo no que diz respeito à regularização de sua situação e à burocracia pesada.

"Em Portugal, passa-se uma informação muito errada de como funciona o mercado de trabalho no Brasil, repetem-se os mesmos chavões de que o país é um bom mercado por excelência, mas para todos os efeitos, um português no Brasil é um estrangeiro como qualquer outro", alerta Marcelo Cerqueira, moderador do grupo "Novos Patrícios", que reúne portugueses no Rio de Janeiro, na rede social Facebook.

Para o português, que está a abrir um negócio de importação de vestuário, o maior problema para quem quer abrir uma empresa está na morosidade do sistema brasileiro.

"Em Portugal, você cria a empresa na hora, basta apresentar os sócios, o modelo do contrato social, e faz-se o registo. No Brasil demora uns dois meses, se tudo correr bem, e ainda tem a figura do despachante [profissional que faz a intermediação dos pedidos aos órgãos públicos], o que aumenta os gastos", ressalta.

As dificuldades para conseguir um visto de trabalho estão entre as principais reclamações, principalmente entre os jovens que fazem intercâmbio em universidades brasileiras e querem ficar a trabalhar.

"O meu visto demorou cerca de 40 dias para sair, depois que chegou a Brasília, fora o tempo que gastei antes. Mas dei sorte, tenho amigos que não conseguiram, e as empresas desistiram de os contratar pela demora", contou à Lusa o engenheiro José Queiroz, há dois anos no Rio de Janeiro.

Para obtenção do visto de trabalho é preciso que a solicitação seja feita pela empresa interessada, e não pelo profissional. A firma precisa ainda explicar por que está a utilizar uma mão de obra de fora, em detrimento da nacional.

Segundo os portugueses ouvidos pela Lusa, na maior parte dos casos, as firmas brasileiras não estão habituadas a esse trâmite e voltam atrás quando percebem a morosidade do processo.

"Só mesmo os grandes grupos internacionais estão preparados para contratar estrangeiros porque já fazem isso todos os dias, já têm os canais certos", afirma Cerqueira.

Queiroz, por sua vez, sublinha que o Brasil pode até ser o "El Dourado" que se vende em Portugal, mas apenas para alguns setores.

"Não adianta ser formado em artes cénicas e vir para cá achando que se vai arrumar emprego fácil. Há vagas em engenharia, mas até para outros setores relacionados, como arquitetura, já é mais difícil", alerta.

Outra exigência para o visto de trabalho é um contrato mínimo de dois anos, o que muitas vezes também desanima as empresas e dificulta a vida de profissionais autónomos ou "freelancer".

O português Pedro Silva, dono de uma empresa de incentivo à prática de tênis no Rio de Janeiro, alerta ainda para o fato de a economia brasileira estar começando a enfraquecer, como consequência dos impactos da crise internacional.

"Não é preciso ser nenhum economista para perceber que um país em crescimento como o Brasil não tem como não ser afetado pela situação que a Europa e outros países estão a enfrentar, o país já começa a dar sinais de fraqueza", constata.

O conselho de Silva para os portugueses que ainda pensam em tentar oportunidades no Brasil é chegar com a mentalidade aberta, com disposição para aprender e adaptar-se às exigências do país.

"É preciso ter humildade e vir de peito aberto, com vontade de aprender o ‘modus operandi', não adianta chegar achando que já conhece e sabe tudo porque fomos nós que colonizámos o país há 500 anos, porque cada lugar tem suas regras", completa.

 Lusa / SOL, aqui.

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios