FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Suíça: deputado alerta para exploração de portugueses
2012-02-06
Aviso lançado por Paulo Pisco, do PS, que diz que os exploradores também são de Portugal

O deputado socialista Paulo Pisco alertou hoje para a existência na Suíça de redes de exploração de emigrantes portugueses, apelando à cooperação das autoridades dos dois países para combater um fenómeno que a crise económica agudizou, noticia a Lusa. 

«Há aqui [na Suíça] redes de portugueses que estão a explorar outros portugueses. São pessoas que fazem recrutamentos em Portugal e colocam os portugueses a trabalhar aqui. Prometem casa e salário e, passado pouco tempo, rompem os contratos e ficam com o dinheiro», disse Paulo Pisco.

O deputado socialista eleito pelo círculo da Europa falava à agência Lusa, por telefone, a partir da Suíça, onde se deslocou para contactos com a comunidade.

«As pessoas acabam por ficar desamparadas e recorrem às organizações da Igreja para tentar algum apoio», disse Paulo Pisco, adiantando que, apesar de a situação ser conhecida na comunidade, as vítimas recusam-se a denunciar os exploradores às autoridades por receio de represálias.

Paulo Pisco adiantou que, embora não seja nova, esta situação tem vindo a agudizar-se com a crise e considerou importante a cooperação das autoridades dos dois países nesta matéria.

«É um problema que se está a agudizar porque o afluxo de portugueses é maior nos últimos tempos», disse.

Paulo Pisco adiantou ainda que dos contactos com associações e com a Missão Católica Portuguesa na Suíça, «ficou bem parente que não há concertação entre o consulado e as instituições locais suíças».

«É importante que as autoridades portuguesas se concertem com as autoridades suíças e com as instituições que estão no terreno para investigarem e tentarem acabar com as redes que estão a explorar portugueses», sublinhou.

Sobre a questão do ensino de português na Suíça, onde a cessação dos contratos de 20 professores em Janeiro deixou várias centenas de alunos sem aulas, o deputado lamentou o facto de a coordenadora de ensino no país se ter recusado a fornecer informações sobre o assunto.

Paulo Pisco disse ainda que sentiu da parte da comunidade portuguesa «uma grande indignação e revolta» relativamente à saída dos 20 professores.    

tvi24, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios