FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2012
Cidade alemã convida emigrantes portugueses
2012-02-07

Dirige a cidade de Schwäbisch Hall há 12 anos, mas antes conheceu o mundo como representante da Fundação Friedrich Ebert . Por causa da falta de mão-de-obra qualificada decidiu convidar jornalistas de países com elevado desemprego para dar a conhecer as oportunidades de emprego. O Diário Económico foi o escolhido em Portugal.

Porque é que está a apelar aos portugueses para que venham para a sua cidade?

Sou uma pessoa que viajou por toda a Europa e pelo mundo. Acredito que pessoas de todo o mundo podem viver num local e combinar as suas diferentes culturas e funcionar como uma cidade multinacional onde todos vivam em paz e harmonia juntos. Na Alemanha, o espaço rural é uma zona muito desenvolvida industrialmente. Na cidade de Schwäbisch Hall existem inúmeras oportunidades de trabalho e boas condições de vida, assim como actividades culturais, e poucos sabem que nesta área há oportunidades. Normalmente, os estrangeiros pensam em ir para cidades como Berlim e Munique e nestes casos as taxas de desemprego são elevadas. Ninguém pensa em procurar trabalho em cidades pequenas como esta e é preciso que o comecem a fazer. Há muitos empregos disponíveis e isso tem que ser divulgado nos países que tem elevadas taxas de desemprego.

Não conseguem os recursos humanos qualificados que necessitam?

O problema é que o crescimento económico na região foi muito superior ao crescimento da formação da mão-de-obra qualificada. Na nossa cidade já temos trabalhadores de mais de cem países do mundo. Mas a velocidade da imigração não é suficiente para preencher todas as vagas.

Todos os meses têm mais de duas mil vagas?

Sim. É um movimento crescente porque temos muitas indústrias que estão a desenvolver-se e mensalmente surgem novos empregos. Actualmente, qualquer desempregado consegue um emprego em três meses.

É necessário saber alemão?

Se pensarmos em trabalhadores com uma elevada qualificação como engenheiros, investigadores ou da área de ciência e tecnologia, toda a gente nestas áreas fala inglês. Mas se o trabalho for na indústria de empacotamento ou num sector em que é necessário falar com os colegas, neste caso eles falam alemão. É melhor saber algum alemão, excepto nos empregos que exijam uma elevada qualificação. Mas é preciso aprender alemão. As empresas maiores financiam cursos de alemão para quem queira vir. Mas as mais pequenas não o podem fazer.

É uma cidade que recebe bem os estrangeiros?

A Alemanha é um país muito diverso. Sempre teve um grande movimento cultural e tem pessoas de todo o mundo, por isso a integração não só é possível como é fácil.

E quem venha com a sua família?

A cidade de Schwäbisch Hall tem todo o tipo de oferta educativa, a começar dos zero aos três anos. Depois, dos três aos seis, temos um apoio especial para o desenvolvimento da língua. Se uma criança for para o jardim-de-infância poderá ter apoio no desenvolvimento da língua.

Como convidaria um português a vir para cá ?

Venham, informem-nos e a administração local dará todo o apoio necessário. Temos os braços abertos e terão oportunidades. E depois poderão regressar a Portugal passado alguns anos, com a tecnologia e o conhecimento alemão e abrir o seu próprio negócio, quem sabe...    

Bomdia.lu, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios