FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2011
Portugal e Angola vão facilitar emissão de vistos
2011-09-15
O ministro angolano das Relações Exteriores, Georges Chicoti, em visita oficial a Portugal, assina hoje com o homólogo português, Paulo Portas, um protocolo que irá facilitar a emissão de vistos.

Georges Chicoti, reconheceu, nesta quarta-feira, que existem "muitas dificuldades" na obtenção de vistos para Angola e garantiu que o acordo a assinar hoje em Lisboa facilitará todo o processo.

A dificuldade de obtenção de vistos para entrar em Angola é uma das maiores preocupações de investidores e empresas portuguesas e tem levado algumas a recorrerem a vários expedientes para conseguirem renovar os vistos dos seus trabalhadores.

O mais recente episódio envolveu 42 funcionários de uma empresa com sede em Sintra, que foram detidos por trabalhar ilegalmente em Angola, tendo sido depois expulsos do país.

Segundo explicou na altura uma responsável da empresa, um dos funcionários trouxe para Portugal o passaporte dos restantes trabalhadores para acelerar a revalidação dos vistos na embaixada de Angola em Lisboa. A empresa reconheceu tratar-se "de um expediente infeliz" e garantiu que iria pagar as multas aplicadas pelo Estado angolano.

Mas as referências aos problemas na obtenção de vistos pelos cidadãos dos dois países são recorrentes. Relatos da imprensa dão conta da existência diariamente de filas enormes diante da embaixada portuguesa em Luanda. Trata-se maioritariamente de cidadãos angolanos que esperam conseguir um visto para visitar familiares em Portugal, gozar férias ou fazer negócios.

No sentido inverso, a situação é semelhante, com a agravante de que a crise económica e financeira em Portugal e as potencialidades da economia angolana estarem a levar cada vez mais portugueses a procurar trabalho em Angola.

Pedidos online e marcação em Lisboa

Em Lisboa, a possibilidade de os vistos serem pedidos online e com marcação acabou com as filas no consulado de Angola, mas a demora no processo de obtenção do documento continua a merecer críticas das empresas portuguesas.

O sector da construção civil é um dos principais responsáveis pelo forte crescimento da comunidade portuguesa em Angola, que entre 2006 e finais de 2008, passou de 70 mil para mais de cem mil pessoas.

As empresas queixam-se que, por causa das dificuldades na obtenção e renovação de vistos, os trabalhadores portugueses são forçados a permanecer por curtos períodos de tempo em Angola, sendo ciclicamente substituídos por outros, embora em alguns casos essas substituições não tenham sido feitas.

Nesta quinta-feira, pela manhã, o ministro angolano será recebido em Belém pelo Presidente Cavaco Silva, seguindo posteriormente para o Palácio das Necessidades, onde almoçará e assinará protocolos com Paulo Portas. À tarde reunirá com o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, e mais tarde participará num jantar oferecido pelo ministro português dos Negócios Estrangeiros.

Georges Chicoti teve esta quarta-feira um encontro privado com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. O ministro angolano, que chegou nesta quarta-feira a Lisboa, parte no domingo para os Estados Unidos.    

Público, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios