FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2011
Estados unidos: Festa portuguesa coloriu o Central Park
2011-06-27
O verde e vermelho coloriram o famoso Central Park em Nova Iorque no dia 19 de Junho, e o som do fado e da guitarra portuguesa fizeram-se ouvir bem no centro da cidade.

O travo da bica, o doce dos Dom Rodrigo e até o "cheiro a rosmaninho" da letra de «Cheira Bem, Cheira a Lisboa» assentaram arraiais no muito nova-iorquino Central Park, na primeira comemoração do Dia de Portugal em Manhattan, que decorreu ao longo do domingo, 19 de Junho.
Se logo por alturas de Maio e Junho localidades como Mineola (Nova Iorque) ou Newark (Nova Jérsia) se enchem do cheiro de sardinhas e febras nas festas populares e de comemoração do Dia de Portugal das Comunidades luso-americanas, não estava na memória mesmo dos portugueses mais antigos na cidade ouvir fado e guitarra portuguesa num dia de sol, bem no centro de Nova Iorque.
No público desta comemoração quase inédita e retardada do 10 de Junho estavam os corredores que fizeram os oito quilómetros do «Portugal Day», e muitos portugueses que, de carro, autocarro ou comboio, fizeram centenas de quilómetros para estar no festival a que se seguiu, uma mostra de produtos e de cultura portuguesa. 
Entre os presentes, eram muitas as camisolas da selecção de futebol e de clubes portugueses.
Para "apoiar e mostrar Portugal", Carlos Bahia, do clube português de Danbury (Connecticut), fez uma hora e meia de comboio com um grupo de sete pessoas. "Achei que era uma boa ideia para promover o nome de Portugal", disse à agência Lusa, lamentando apenas o "pouco tempo" para a festa.

Fado e marchas populares

Rodeada de verde e com os arranha-céus de Nova Iorque como pano de fundo, a jovem fadista luso-americana Nathalie Pires, de Newark, cantou fado e marchas populares, pondo as centenas de pessoas que por ali passavam a bater "palminhas" e a repetir o refrão "Cheira Bem, Cheira a Lisboa". Com esta letra encheu o parque dos "eléctricos" da capital portuguesa, das "procissões com cheiro a rosmaninho", as "tasca da viela mais escondida (onde) cheira a iscas com ela e a vinho" e, claro, da "varina que teima em passar".
Há mais de duas décadas nos Estados Unidos, Lisa veio de Nova Jérsia, com o seu traje negro e dourado de noiva do Minho, para ajudar a "dar a conhecer o país". 
"Isto é bom porque acho que faz os americanos conhecerem um pouco Portugal, que é um país pequenino que eles confundem sempre com o Brasil", disse à Lusa a emigrante nascida na ex-colónia de Goa.
A norte-americana Emma, que participou na corrida, repetia no final o que acabara de ouvir da animadora do evento, que apresentava Portugal como "o país mais solarengo da Europa", embora admitindo o seu desconhecimento. 
"Não sei muito... vou à internet procurar", disse à Lusa. Outros, que após a corrida bebiam Compal, Sumol ou uma bica e comiam pão com Queijo da Serra, perguntavam aos portugueses qual a melhor altura do ano para visitar o país. 
De Washington veio o embaixador Nuno Brito, que saiu convencido da capacidade de eventos do género para "vender o nome de Portugal" no país. "É uma maneira de conhecer o nosso pais muito interessante, muito criativa e inovadora", disse à Lusa.
Mesmo sem patrocinadores, por enquanto, a gestora financeira Domitília Santos e a associação Portuguese Circle, que promoveram o evento com apoio do Turismo de Portugal e empresas, já reservaram 17 de Junho de 2012 para o segundo Portugal Day.     

Mundo Português, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios