FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2011
Portugueses emigram em massa, inclusive para Angola
2011-06-03
Seguindo os passos de seus avós, há cinco décadas anteriores, milhares de jovens desempregados portugueses, em muitos casos armados com diplomas universitários, estão fazendo as malas e se mudando para o exterior, para fugir de crise econômica do país.

 

Até Fevereiro,  Marlene e Pedro Frazão Pinheiro, ambos 25, moravam no Entrocamento, no centro de Portugal, onde trabalhavam como enfermeiros.

Ele tinha um contrato a prazo fixo em uma empresa privada, ela trabalhava no setor público, mas apenas a tempo parcial e sem contrato.

"Nós eramos  "trabalhadores precários", como dizem, Marlene disse à AFP por telefone de Northampton, cerca de 100 quilômetros (60 milhas) ao norte de Londres, onde eles vivem agora.

"Nossa situação não era a pior, mas nós não viamos um futuro para nós mesmos. Queríamos ser capazes de ter uma casa algum dia. Quando decidimos sair, tudo mudou muito rapidamente", acrescentou. "Colocamos nossos currículos na internet e, em uma semana, nós dois fomos contratados para um hospital público e um contrato permanente".

Hoje Marlene, que se formou há três anos, ganha £ 1.900 (€ 2.200, $ 3.100) por mês: o dobro do que ganhava em Portugal.

Existem "centenas" de enfermeiros portugueses trabalhando, na Inglaterra, de acordo com Marlene.

"Recebemos muitos pedidos de ex-colegas ou colegas que querem saber como migrar também. Optamos pela Inglaterra, porque nós falamos Inglês. Mas nós temos colegas que foram para a França ou a Suíça."

Sites e blogs dedicados à migração surgiram, em que as pessoas postam pedidos de aconselhamento e partilham as suas experiências.
Os interessados ​​em mudar para o exterior são enfermeiros, bem como psicólogos, arquitetos e engenheiros.

A maioria quer ir para outro país europeu, mas muitos são tentados de ir para Angola, um "poço" de petróleo e diamantes, ex-colônia rica portuguesa na África, que está crescendo enquanto se  reconstrói, após quase três décadas de guerra civil.

Angola, que está recrutando estrangeiros, engenheiros civis e arquitetos, para atender a demanda para grandes projetos de obras públicas, é o lar de mais de 90.000 cidadãos portugueses.

O tamanho da nova onda de imigração é difícil de medir. Várias estimativas falam de  50.000 a 100.000 partidas por ano.

"É difícil contabilizar porque ninguém que vai trabalhar seis meses ou um ano, noutro país europeu, é obrigado a se identificar", disse o sociólogo António Barreto.

No entanto, ele acha que a emigração tem retornado aos níveis da década de 1960, quando Portugal era governado por uma ditadura.

E de acordo com o Observatório da Emigração, um órgão  público criado recentemente, há cerca de 2,3 milhões de cidadãos portugueses que nasceram em Portugal, mas estão trabalhando no exterior.

"É uma hemorragia real", disse Cristina Blanco, uma candidata da extrema-esquerda do minúsculo partido Esquerda Unida, nas eleições gerais de domingo em Portugal.

"O Português está sendo expulso de seu país, não só os jovens licenciados, mas também os desempregados, a maioria deles sem qualificação, que chegam a cada dia nas estações de trem das grandes cidades europeias", acrescentou Blanco, uma economista com sede em França desde 1975 .
"E ainda não acabou", ela prevê.

As medidas de austeridade que a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional impuzeram a Portugal, em troca de um resgate de 78 bilhões de euros, vão piorar o problema, ela disse.

Aumentaria o desemprego, que já afeta mais de 12 por cento da população e quase 28 por cento dos jovens, ela argumentou.

Dado este contexto Marlen e Pedro não tem planos para regressar a Portugal. "Estamos indo muito bem aqui e o povo Inglês é muito educado", disse Marlene.

Em poucos meses, sua irmã mais nova, que está estudando para ser uma enfermeira, também tem planos para arrumar as malas.

Blog Notícias Internacionais - International Oil & Gas News, aqui. 

 

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios