FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2011
Alemanha quer mão-de-obra portuguesa. Saiba como concorrer
2011-02-08
Portal Eures é o primeiro onde devem inscrever-se. Convém que os interessados falem bem alemão

A Alemanha precisa de quadros técnicos e quer recrutar mão-de-obra de outros países europeus, incluindo Portugal e Espanha. Para quem está interessado em emigrar para a maior economia da Europa, aqui fica uma dica para dar o primeiro passo e se inscrever.

Os trabalhadores qualificados que procuram emprego na Alemanha devem começar por recorrer ao portal europeu na Internet: o Eures, disse à Lusa o gabinete de imprensa da Central Alemã de Mediação de Quadros Estrangeiros (BA-ZAV).

O site permite a busca de vagas em empresas alemãs, e também a inscrição de candidatos. E «há conselheiros da Eures em Portugal que podem orientar as pessoas na procura de empregos europeus», disse Beate Raabe, porta-voz da BA-ZAV.

Esta central (cuja versão portuguesa se pode encontrar no endereço electrónico http://ec.europa.eu/eures/home.jsp?lang=pt&langChanged=true) com sede em Bona, faz parte da Agência Federal do Trabalho (BA), instituição encarregada na Alemanha de administrar as questões relacionadas com o emprego a nível nacional, das estatísticas à colocação dos trabalhadores. 

Do que é que a Alemanha precisa?

Actualmente, o mercado de trabalho alemão «necessita, sobretudo, de pessoal qualificado para o sector da saúde, médicos e enfermeiros, e também de engenheiros», adiantou a mesma responsável. Mas, avisa, normalmente «exigem-se bons conhecimentos de alemão aos candidatos, excepto nos poucos casos em que se pode recorrer exclusivamente ao Inglês nos postos de trabalho».

«Podem dirigir-se também à nossa central em Bona, mas em princípio não é necessário, porque além do portal da Eures na Internet, em várias línguas, existem conselheiros da Eures em Portugal», lembrou Beate Raabe.

A porta-voz da BA-ZAV lembrou ainda que, para quem quiser procurar emprego na Alemanha, «é fundamental informar-se primeiro, porque não é a mesma coisa trabalhar no Porto ou em Faro ou trabalhar em Hamburgo». 
A emissora de rádio TSF noticiou na segunda-feira que cerca de 100 portugueses se dirigiram ultimamente à Embaixada da Alemanha à procura de trabalho, após notícias sobre uma eventual falta de quadros técnicos neste país.

A embaixada informou-os de que não tinha registo de ofertas concretas de emprego, mas aconselhou-os a dirigirem-se à Agência Federal de Trabalho alemã.

Mais de 116 mil portugueses já vivem e trabalham na Alemanha

A notícia surgiu há duas semanas atrás, pela mão do «Der Spiegel». O jornal alemão escreveu que os democratas-cristãos alemães da chanceler Angela Merkel querem compensar a falta de quadros técnicos na Alemanha atraindo jovens de Portugal e Espanha. «No sul e no leste da Europa há muitos jovens desempregados que procuram urgentemente trabalho», disse ao «Der Spiegel» o vice-presidente do grupo parlamentar democrata-cristão, Michael Fuchs.

«É melhor ir buscar força de trabalho à Europa do que ter de mudar de novo a lei de imigração para permitir a entrada de pessoas de outras regiões», justificou Max Straubinger, dirigente político da União Social Cristã (CSU) da Baviera.

O Der Spiegel dizia ainda que a chanceler Angela Merkel também se mostrou aberta à ideia, e que o tema estaria na agenda das consultas seguintes entre os governos alemão, português e espanhol.

Actualmente vivem na Alemanha cerca de 116 mil portugueses, e nos últimos tempos têm chegado a este país muitos jovens académicos que têm dificuldades em encontrar colocação em Portugal, à procura de oportunidades na maior economia europeia, e normalmente têm êxito.  

Agência Financeira, aqui

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios