FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2011
EUA: Integração afasta luso-descendentes das raízes portuguesas
2011-01-13
O sucesso da integração dos emigrantes portugueses nos Estados Unidos está a levar os luso-descendentes a afastarem-se das raízes nacionais. A opinião é de Deolinda Adão, professora na Universidade de Berkeley, na Califórnia.

"A integração dos portugueses está boa demais e é tal que começa a haver um afastamento das raízes. O segundo grande fluxo de emigração portuguesa e, em particular, açoriana foi há 50 anos e estamos num momento em que realmente a separação começa a ser significativa", afirmou à Agência Lusa a docente e coordenadora de estudos portugueses da universidade norte-americana.
Deolinda Adão, que participou num encontro promovido pela Universidade dos Açores sobre «Regionalismo e Organização Política - A Europa, os Estados Unidos e a Relação Transatlântica», frisou que se atravessa "um momento importante e decisivo para a forma como a comunidade portuguesa vai continuar a existir ou não enquanto entidade dentro do espaço social americano".
Na sua opinião, este afastamento de Portugal acontece porque "o número de emigrantes está a diminuir e o número de luso-descendentes está a aumentar".
"Os luso-descendentes estão cada vez mais afastados de Portugal do que estavam os emigrantes e isso vai fazer com que haja uma alteração nas comunidades", afirmou a docente, acrescentando que "a relação que a primeira geração nascida nos Estados Unidos tem com Portugal é uma relação ancestral e não uma relação de memória".
Para Deolinda Adão, a comunidade portuguesa nos Estados Unidos está cada vez mais integrada porque não vive em «guetos», e dá como exemplo o facto de os portugueses estarem actualmente representados em quase todas as áreas temáticas do país.
"Um sinal claro de integração é que podemos ver portugueses em todas as áreas temáticas dos EUA, o que é muito bom e saudável. Nós só podemos ser bons portugueses se formos bons americanos, não podemos ter um ‘gueto' porque as comunidades que se mantêm em ‘guetos' não são comunidades de sucesso", acrescentou.     

Mundo Português, aqui.

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios