FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Há portugueses no Luxemburgo que nem têm dinheiro para comer neste Natal
2010-12-11

Para muitos portugueses residentes no Luxemburgo, a crise económica significa apenas não passar o Natal em Portugal, mas para outros traduz-se em carências e em ter de pedir ajuda para comer.

"Cada vez chegam mais compatriotas, que não conseguem emprego e ficam sem-abrigo. Calcula-se que estejam nesta situação 160 portugueses, o que é muito num país como o Luxemburgo, e com probabilidade de aumentar", disse à Agência Lusa o presidente da Associação Cultural da Bairrada no Luxemburgo.

De acordo com Rogério de Oliveira, no ano passado existiam 127 portugueses na situação de sem-abrigo.

Criada oficialmente há 14 anos, aquela associação dedica-se a recolher fundos para ajudar os portugueses mais carenciados da comunidade e, pontualmente, também ajuda pessoas necessitadas em Portugal.

"Chegam-nos todos os dias pedidos de Portugal", afirma Oliveira.

Durante o ano, a ACBL tenta ajudar os mais necessitados da comunidade a procurar emprego e a dar-lhes alimentos.

A sua acção culmina com a tradicional Ceia de Natal para os Sem-Abrigo, que se realiza no dia 18 de Dezembro.

Também o presidente do Centro de Apoio Social e Associativo (CASA) não tem dúvidas ao afirmar que a crise está a atingir os portugueses no Luxemburgo.

"Há miséria e crise, claro que sim", afirmou o presidente José Ferreira Trindade, acrescentando que esta é uma situação "que se tem agravado nos últimos tempos".

"Há mais pessoas a pedir. Muitos portugueses estão a ir para parques de estacionamento como arrumadores de carros", disse ainda.

Este ano, o CASA foi contactado e prestou ajuda a cerca de seis mil pessoas, portugueses e falantes de língua portuguesa.

Entre os pedidos mais frequentes estão um emprego, casa, colchões, mobílias e roupas.

"Todo o trabalho que a nossa instituição tem feito é cada vez mais difícil, porque os recursos são cada vez menos e a miséria aumenta", lamentou Trindade.

"Há famílias inteiras a viver dentro de carros", afirmou, ressalvando que "há muita gente a chegar" ao Luxemburgo.

A CASA dedica-se também a fazer sopa para distribuir e a visitar deficientes e reclusos portugueses.

Esta é uma situação que atinge uma minoria da comunidade portuguesa, que na sua maioria está a conseguir fazer face à crise.

Por isso mesmo, muitos optaram este ano por não passar o Natal em Portugal.

Contactado pela Lusa, um responsável da agência de viagens "Taki-Talá" admitiu que "este ano está um pouco calmo".

"Os portugueses têm por hábito ir à última da hora, mas até agora está mais calmo do que nos anos anteriores", afirmou Marco Marques.

Texto: Lusa
Foto: Shutterstock

Jornal Contacto, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios