FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Secretário de Estado das Comunidades em Braga: Governo atento à pobreza na diáspora portuguesa
2010-12-04

Os casos de pobreza entre a população emigrante portuguesa é uma realidade ainda pouco conhecida, admitiu ontem, em Braga, o secretário de Estado das Comunidades. À margem da apresentação do livro ‘Marcas Solidárias-obras sociais das comunidades portuguesas', António Braga disse ao ‘Correio do Minho' que os casos de carência económica e social na diáspora constituem felizmente "uma pequena minoria", mas devem merecer atenção.

Nesse sentido, o governante apontou o reforço do programa de apoio social a idosos carenciados que atribui um apoio monetário a pessoas com mais de 65 anos sem rendimentos e que estejam em países com sistemas de segurança social e de saúde débeis, ou onde não existem acordos de reciprocidade com Portugal.

O livro ‘Marcas Solidárias' foi apresentado no Museu D. Diogo de Sousa, no âmbito do seminário ‘Combate à exclusão e caminhos para a inclusão', organizado pela CERCIFAF e pelo Gabinete Europe Direct do Entre Douro-e-Minho.

A edição da Direcção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas surge no âmbito do plano nacional do Ano Europeu do Combate à Pobreza e da Exclusão Social.
A obra dá a conhecer o trabalho na área social desenvolvido por organizações de emigrantes em países da Europa, América e África.

O secretário de Estado realçou a importância dessa rede de instituições de solidariedade social, algumas das quais "c om projectos sustentáveis na área da saúde, cuja rentabilidade é direccionada para o apoio social".

O embaixador Santos Braga, director-geral dos Assuntos Consulares, reconheceu que ‘Marcas Solidárias' apresenta uma "visão reduzida" do que é a solidariedade social na diáspora portuguesa.


Envelhecimento da emigração

Aquele responsável alertou para os desafios colocados pelo fenómeno do envelhecimento da população emigrante portuguesa.
Nas declarações ao ‘Correio do Minho', António Braga apontou esse envelhecimento como preocupação central da Secretaria de Estado das Comunidades,

"Criámos o observatório da emigração com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa que está a trabalhar em alguns países onde estimamos que esse fenómeno se está a verificar com mais acuidade", referiu o governante.

"Esse estudo é importante para avaliar o impacto que pode representar o regresso de emigrantes, muito embora as reformas estejam garantidas a montante, nos países onde essas pessoas trabalharam".

Para facilitar a integração dos emigrantes no regresso a Portugal a Secretaria de Estado celebrou mais de cem acordos com câmaras municipais.
"O estudo que já está feito indica-nos que cerca de 90 por cento dos emigrantes regressam para as suas freguesias e concelhos de origem", constatou António Braga.

Correio do Minho, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios