FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2010
Funcionários do consulado em Londres fazem abaixo-assinado e lamentam “falta de meios”
2010-08-16
A “enorme falta de meios”, causada pela redução do números de trabalhadores, levou os funcionários do Consulado Geral de Portugal em Londres a fazerem um abaixo-assinado. Pedem mais condições de trabalho e admitem fazer greve se a situação se mantiver.

"As pessoas gritam, há agressões verbais diárias e insultos a colegas. Os funcionários não podem trabalhar neste ambiente. É desumano e ninguém pode ser sujeito a tal humilhação", disse à Agência Lusa, Lina Gonçalves, funcionária naquele consulado, defendendo ainda que "o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) tem responsabilidades e tem de zelar pelo nosso bem-estar".
Lina Gonçalves afirmou à Lusa que a falta de funcionários está na base de todo o problema, já que atrasa o trabalho. "A situação agravou-se ainda mais quando não renovaram cinco contratos de prestação de serviços e com a entrega do cartão do cidadão, que não pode ser por correio", sublinhou.
Questões a que se junta o aumento da emigração portuguesa no Reino Unido, "um dos países para onde está a ir mais gente", disse a funcionária. "Nota-se o fluxo da emigração. São diárias as dezenas de inscrições que fazemos", indicou à Lusa.
Actualmente, o Consulado Geral de Portugal em Londres tem 14 funcionários que atendem mais de 200 pessoas diariamente, revelou a funcionária, que considera serem necessários, "pelo menos, mais 10 para funcionar como deve de ser". Lina Gonçalves disse à Lusa compreender a questão do lado do utente, que "chega a ir dois e três dias ao consulado e não ser atendido".
Relativamente às instalações que ocupam actualmente, a funcionárias afirmou que "são óptimas" e que o "único problema é mesmo a falta de pessoal". Se o problema persistir, Lina Gonçalves não hesitou em afirmar que partem para a greve.
Contactada pela Lusa, fonte do gabinete do secretário de Estado das Comunidades, António Braga, afirmou que "o MNE está atento à situação". "Em breve haverá uma solução para o consulado de Londres no intuito de resolver os interesses do cidadão", acrescentou.
No mês de Julho, em declarações à Lusa, o conselheiro das Comunidades Portuguesas pela Inglaterra, afirmava que o consulado português em Londres tem uma lista de espera "de mais de 800 marcações", o que significa ter de "ficar dois a três meses à espera" para conseguir ser atendido.
António Cunha acrescentava que a marcação de uma reunião para tratar dos papéis nem sempre é sinónimo de problema resolvido. "Marcam a reunião para dois ou três meses depois e as pessoas quando chegam lá ouvem coisas como "falta um documento" ou "o sistema está em baixo" e por isso têm de lá voltar novamente", garantia à Lusa.
Entre as histórias "dramáticas", o concelheiro das Comunidades recordava haver várias famílias que tinham baptizados marcados em Portugal e não conseguiam abandonar o país porque não terem os documentos das crianças (passados pelo consulado), e jovens que não conseguiriam emprego por não arranjarem passaporte a tempo.

Questão ao Governo

A redução de funcionários naquele posto consular foi levantada no dia 8 de Julho pelos deputados sociais-democratas José Cesário e Carlos Gonçalves, que entregaram na Assembleia da República, um requerimento no qual questionavam o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) sobre a saída de quatro funcionários. José Cesário, deputado do PSD pelo Círculo de Emigração por Fora de Europa e Carlos Gonçalves, deputado pela Europa afirmavam que a redução do número de funcionários "vem prejudicar de forma considerável o já insuficiente atendimento ao público" naquele posto consular.
No requerimento, os parlamentares questionavam o MNE sobre as justificações que levaram à saída dos funcionários "num momento em que o Consulado de Londres já se encontra tão carenciado em termos de recursos humanos" e perguntavam ainda se o MNE entende que "os utentes do Consulado de Londres irão ser melhor atendidos depois desta decisão". Por último, pretendiam saber o que o Ministério pensa fazer "para melhorar a capacidade de atendimento do Consulado de Portugal em Londres".  "Este Consulado serve a segunda maior Comunidade portuguesa na Europa e aquela que é especialmente composta por muitos nacionais recentemente emigrados precisamente aqueles que necessitam de um maior apoio e atenção por parte deste tipo de estruturas", lê-se no mesmo documento.

Mundo Português, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios