FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Comunidades: Emigrantes devem ser mais ativos na vida política do seu país de acolhimento
2010-07-31

As comunidades portuguesas no estrangeiro ainda têm um longo caminho a percorrer no campo do recenseamento e participação política em Portugal e nos países estrangeiros, avançou hoje o secretário geral da Fundação INATEL e ex deputado pela emigração, Carlos Luís.

No encerramento da IV Convenção Mundial das Comunidades Portuguesas e abordando a questão do recenseamento eleitoral dos emigrantes nos países estrangeiros, Carlos Luís adiantou que "os portugueses estão pouco sensibilizados para exercer o seu poder de voto".

Além disto, "estão pouco motivados para a eleição dos quatro deputados e do Presidente da República", frisou, acrescentando que "as comunidades portuguesas sempre foram enteadas na participação política dos seus países de acolhimento".

Quanto ao exercício de voto, Carlos Luís considera o voto eletrónico o "mais fiável" porque o voto por correspondência pode vir a "traduzir-se em fraude".

Abordando o tema "Defender a história e preservar a memória da emigração", o delegado da Associação dos Portugueses no Estrangeiro (APE) Norte, Fernando Capela adiantou que "cada município do país devia elaborar um livro de memórias" para preservar a história da emigração.

"Há memórias que têm de ser urgentemente guardadas, sobretudo as da década dos anos 60", disse.

Segundo Fernando Capela o tema das comunidades portuguesas devia ser abordado nas escolas porque "há memórias que se estão a perder".

Existindo emigrantes de todos os distritos, concelhos e localidades de Portugal seria importante, segundo o delegado da APE Norte, criar um museu para preservar as memórias dos emigrantes.

Adiantando que "só se fala da história trágico marítima esquecendo a trágico terrestre".

O presidente da Câmara de Chaves, João Batista, salientou, no encerramento da convenção, que "é necessário criar condições para que os portugueses no estrangeiro invistam no nosso país".

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico ***

Correio do Minho, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios