FR

Link para inquéritoO regresso como emigração: o caso dos jovens adultos portugueses

Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Luxemburgo. Agente da polícia que fez circular email xenófobo "vai sofrer consequências"
2010-06-22

por Cláudia Garcia,

Porta-voz da polícia lamenta o sucedido e considera "inaceitável" a atitude de reencaminhar a mensagem. Estão dois inquéritos a decorrer

O email de conteúdo xenófobo contra os milhares de portugueses residentes no Luxemburgo "que não partiu da polícia" mas foi "um elemento da polícia" que o fez circular está a ser investigado por dois inquéritos paralelos. E o porta-voz da Grand-Ducale, Vic Reuter, garantiu ao i que é "claro que haverá consequências" para a pessoa que teve esta "atitude inaceitável".

"Quando se recebe um email destes é claro que não se pode reenviar, mas simplesmente apagar. É inaceitável a polícia ter feito circular esta mensagem", diz Reuter. No entanto, o porta-voz da Grand-Ducale frisou que "este é um caso isolado" e que as relações entre a polícia e a comunidade portuguesa "sempre foram boas". Um dos inquéritos a decorrer partiu do Ministério do Interior, responsável pela tutela da Grand-Ducale, após o requerimento apresentado pelo deputado Camille Gira no Parlamento. O segundo inquérito pertence ao campo jurídico e envolve a investigação do Ministério Público.

Questionado sobre as acusações que alguns emigrantes portugueses fazem sobre o "comportamento desagradável de alguns polícias" em diversas ocasiões, Reuter responde: "Temos feito um esforço para nos aproximar-mos cada vez mais da comunidade portuguesa - que é mais expressiva a seguir à própria luxemburguesa. Temos entre outros elementos um porta-voz português na Grand-Ducale e muitos outros interessados em construírem a sua carreira connosco, aos quais damos todo o apoio."

O deputado do Partido Socialista no circulo europeu está ocorrente da situação e acredita que este seja "um caso isolado", entre "alguns" que acontecem "noutros países com os emigrantes portugueses e são resolvidos pelo entendimento entre o Estado e as autoridades locais." Pisco disse ao i que ainda não obteve qualquer resposta à carta que enviou ao embaixador do Luxemburgo em Lisboa, notificando a sua"indignação" perante o conteúdo da mensagem divulgada. Contudo, admite que "este assunto" se irá resolver gradualmente: "É preciso ter calma e compreender que estes processos diplomáticos levam o seu tempo." O deputado alerta: "A comunidade portuguesa deve fazer sentir que este email nunca deveria ter acontecido. No entanto, defende que não se deve "empolar" esta caso, "por uma razão muito simples": "Os portugueses estão bem integrados e entrosados em todos os níveis."

O presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Miguel Macedo, manifestou o descontentamento social democrata perante o teor do email, citado pela Lusa, que considera "claramente atentório para a imagem de Portugal e da sua comunidade residente naquele país". O i contactou o Secretário de Estado das Comunidades, António Braga, mas não obteve resposta. Fonte oficial do gabinete afirmou "que não há nada a dizer sobre esta situação". E que "importa apenas realçar que a comunidade portuguesa no Luxemburgo é respeitada e está totalmente integrada". Também o conselheiro da comunidade portuguesa no Luxemburgo, Eduardo Dias, desvalorizou o conteúdo do email que "não reflecte" a relação entre as duas nacionalidades.

Festa portuguesa incomoda A vitória expressiva da selecção sobre a Coreia do Norte levou os portugueses para as ruas do centro de Luxemburgo. "E a polícia não gostou muito", conta o presidente do site informativo da comunidade, Ricardo Silva. "Acabei de receber um telefonema do fotografo do site que estava a tirar algumas fotografias da festa a contar que um polícia o obrigou a apagar quase todas as fotos." De acordo com Ricardo Silva, algumas fotos "mostravam o polícia a multar um emigrante português no meio do trânsito". Vic Reuter garantiu que "desconhece" esta situação e adianta que qualquer "cidadão desagradado com a "atitude da polícia" pode fazer uma denuncia. "De momento não pensamos apresentar queixa, porque o fotografo não se quer envolver", responde Ricardo Silva.

Jorna i, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios