FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2010
EUA estão a adoptar o dia de Portugal, defende investigador
2010-06-06
O 10 de Junho está a ser adoptado como celebração norte-americana, deixando de ser apenas uma festa da comunidade portuguesa nos EUA, como aconteceu com o dia de São Patrício irlandês, defende o investigador Frank Sousa.

"O que está a acontecer é que inevitavelmente se está a passar de uma celebração portuguesa para uma coisa étnica que é luso-americana", diz o professor universitário, director do centro de estudos portugueses da Universidade de Massachussetts.

Exemplo, afirma, é a iniciativa do Museu do Estado do Massachussetts dedicado à histórica caça à baleia, em New Bedford, onde o Dia de Portugal vai ser marcado com uma festa até à noite, que inclui uma demonstração de artesãos açorianos.

"É feito pela instituição norte-americana, para celebrar as origens portuguesas da região que o museu serve", sublinha o director do centro de estudos portugueses.

O centro lusófono de Massachussetts-Dartmouth associa-se à iniciativa com o lançamento de um livro do académico norte-americano Donald Warrin, sobre o papel dos emigrantes portugueses e cabo-verdianos na caça à baleia naquela região, entre 1765 e 1927.

Em Setembro, este mesmo museu vai abrir uma galeria dedicada aos pescadores açorianos, em mais uma manifestação do que Frank Sousa considera o "`mainstreaming´ do Dia de Portugal".

"Isto não é novidade nos Estados Unidos no contexto de dias como o irlandês, celebrado não só pelos irlandeses, mas por todo o país", afirma.

O Dia de São Patrício, difundido pela numerosa comunidade irlandesa nos Estados Unidos, é habitualmente celebrado com desfiles e festas nas principais cidades, onde o verde é a cor dominante.

"Mas há aqui a potencialidade de o dia de Portugal se tornar numa coisa mais vasta do que apenas portuguesa", adianta Frank Sousa.

O académico dá também o exemplo do Portuguese Heritage Museum ("Museu da Herança Portuguesa") em San Jose, Califórnia.

Ali, as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, que terão lugar no sábado, "atraem milhares de pessoas, e não só portugueses", afirma.

De um modo geral, o dia de Portugal tem vindo a ganhar força nos Estados Unidos, diz.

Com a emigração portuguesa em níveis baixos, essa força vem muito da participação dos jovens luso-americanos, relata David Vidal, do Sport Clube Português de Newark, a mais antiga associação luso-americana da Costa Leste, com quase 90 anos.

"Temos malta jovem no clube com um conhecimento muito básico da língua, mas que quer fazer parte, avançar na comunidade, e também aprender mais do português", afirma este jovem de 32 anos.

O responsável afirma que nos últimos anos o Sport Clube assistiu a uma renovação de gerações, com uma "injecção de juventude".

"Isto antes era tipo o clube das cartas. Iam lá os homens já de certa idade, sem nada para fazer, jogavam cartas e deixavam-se estar. Tinha-se perdido o aspecto cultural, era só um ponto de encontro. Agora é conhecido como um dos grandes pontos culturais dedicados à cultura portuguesa", diz.

Notícias Lusófonas, aqui.

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios