FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Cônsul diz que portugueses vivem bem na Austrália
2010-03-15
Para pinto de mesquita há sinais claros de que a comunidade vive em estabilidade

A comunidade portuguesa de Sydney, Austrália, estimada em cerca de 15 mil pessoas, está estabilizada e "relativamente bem na vida", considerou o Cônsul geral de Portugal na cidade, Pinto de Mesquita.

Em declarações à agência Lusa, o diplomata português explicou que entre os cerca de 50 mil portugueses radicados em toda a Austrália, cerca de 15 mil estarão em Sydney, onde a comunidade vive estável já que está radicada na cidade desde os anos 1950 ou 1960.

"A comunidade já está em Sydney há muitos anos, a maior parte veio para cá nos anos 50 embora haja registos da chegada dos portugueses da Madeira dos anos de 1800", disse o representante português à margem de uma visita do Secretário de Estado das Comunidades António Braga à cidade. Por outro lado, continuou, a comunidade, que veio para a Austrália para "melhorar a sua vida (...) está relativamente bem na vida".

"Nós vemos na comunidade muitos sinais de bem-estar. A maior parte tem bons automóveis, casas razoáveis e isso é justo porque foi para isso que as pessoas vieram para cá e foi para isso que as pessoas lutaram, para ter uma vida melhor e felizmente em muitos casos isso concretizou-se", afirmou. A iniciativa privada é a principal ocupação dos portugueses, 78 por cento dos quais tem nacionalidade australiana, que se dedicam a vários sectores como a construção civil, restaurantes e outras áreas dentro do sector dosserviços como a limpeza, explicou o cônsul.

Pinto de Mesquita garante que a imigração portuguesa em Sydney, "estagnou há muitos anos", mas lembra que ainda vão chegando alguns, "poucos em número", portugueses porque chegam estudantes com visto especial de seis meses ou portugueses quadros de grandes empresas que aqui os colocam. Com uma forte dependência dos negócios, a comunidade portuguesa também foi afectada pela crise financeira mundial, mas como sustentou Pinto Mesquita a comunidade sentiu uma "relativa crise" já que na Austrália o impacto dos problemas foi sentido com menor incidência.

Durante a visita do Secretário de Estado, Pinto de Mesquita recebeu aprovação para as novas instalações consulares, que António Braga enquadra na "reforma" das estruturas que o Governo português está a realizar.

"Pretende-se, por um lado, modernizar o espaço físico, e com isso também reequipar com tudo o que diga respeito à utilização das novas tecnologias fazendo com que os novos instrumentos como o Cartão do Cidadão - que já está disponível - o passaporte biométrico e a relação dos portugueses com a Administração Pública possa tirar daí muitos benefícios, designadamente a prontidão e a qualidade do serviço", afirmou o governante à Lusa.

O Secretário de Estado reconhecia ainda a responsabilidade de Portugal apoiar e fomentar o ensino e a divulgação do português junto da comunidade portuguesa local.

"Portugal tem responsabilidades nesse domínio que irá assumir desenvolvendo matéria negocial com o Governo da Austrália para que o português possa ser nalgumas escolas uma língua de opção", disse o membro do Governo.

Comunidade ajuda vítimas da Madeira

O Portugal Madeira Clube, sedeado em Sydney, Austrália, já angariou cerca de 13.300 euros para ajudar as vítimas dos temporais na Madeira, mas os sócios do clube pretendem continuar os esforços para ajudar a sua ilha. Dinarte Figueira, secretário do clube situado nas imediações de Sydney, explica que o Clube, fundado em 1988, tem cerca de 800 sócios e que desde os temporais que afectaram várias freguesias da ilha da Madeira estão a ser desenvolvidos esforços para angariar dinheiro para as vítimas. "Todos os portugueses, como os madeirenses, receberam a notícia muito triste e têm tentado fazer o máximo na angariação de fundos para podermos ajudar os nossos conterrâneos", disse o dirigente.

Diário de Notícias da Madeira, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios