FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2010
Emigração pode estar a reduzir os números do desemprego
2010-02-03

IVETE CARNEIRO

A saída de portugueses à procura de melhor vida no estrangeiro está a aumentar, de acordo com a percepção dos conselheiros das comunidades e de várias organizações não-governamentais.

O fenómeno, dizem, atinge níveis dos anos 60 e poderá influenciar positivamente os números do desemprego.

A percepção não parece, contudo, ser unânime. Há quem entenda o contrário. E a verdade é que não há números a defender nenhuma das teses. Manuel Beja, que avalia os fluxos migratórios no seio do Conselho das Comunidades, usa o exemplo da Suíça, onde vive. "No ano passado, entravam em média mil portugueses por mês. Hoje são 200 mil. Há uns anos, não era assim". O grosso dos novos emigrantes, garante, são jovens desempregados ou à procura do primeiro emprego, o que lhe permite depreender que o desemprego só não é superior em Portugal graças a esse fluxo.

Contactado pelo JN, o sociólogo do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa Rui Pena Pires - que se debruça sobre fluxos migratórios - revela uma visão diferente. "A crise não é portuguesa. Da mesma maneira que há quem saia, há quem venha de outros países por causa da crise", como recentemente alertou, aliás, a Organização Internacional das Migrações.

Pena Pires admite, contudo, que, antes da crise, havia grandes fluxos de saída. Mas não influenciavam o desemprego, na medida em que Portugal também é um país de imigrantes. Tal como agora, não acredita nessa influência, dado que os estrangeiros que vivem cá também têm dificuldades de emprego.

Jornal de Notícias, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios